Criminal Minds: The Gathering (8×17)

Então que a Strauss acabou funcionando como a inquisidora de equipe para que nós fãs compreendêssemos porque não teremos novidades do Replicador por um tempinho em Criminal Minds, tipo até o final da temporada, confere pessoal? Tá, eu até entendo, afinal se eles não estiverem em campo o moço dificilmente sairá de seu esconderijo a não ser que eles estejam trabalhando, mas tem outras maneiras de conduzir as coisas.

Criminal Minds: The Gathering (8x17)

Barbara Grizzuti Harrison disse: “Todos os atos feitos no mundo começam na imaginação.”

Dito isto devo dizer que gostei demais do caso da noite. Em primeiro lugar por conta dessa coisa de qual a linha que impede uma pessoa de passar de imaginar situações horríveis para realmente executá-las? Confesso que, inicialmente, eu vejo um tanto de lógica nessa terapia através da escrita, se realizada como o psiquiatra disse em sua conversa com Blake e Rossi e não perto de um louco como aquele.

Diga-se de passagem: que virada! Eu jurava mesmo que Peter era o assassino e fiquei tremendamente confusa quando ele começa a falar que suas histórias foram roubadas, cheguei a pensar que sua raiva era destinada ao fato de suas histórias serem expostas daquela forma e só quando surge o verdadeiro assassino e Peter lhe entrega a história de traição é que eu fui entender o que acontecia.

A segunda surpresa, pelo menos para mim, foi o fato de Peter ter conseguido subjugá-lo e ter então partido para Tammy, o que acabou gerando aquele momento perfeito para Reid – em que Matthew arrasou de novo – testar sua nova teoria. As cartilhas do FBI podem até falar que é melhor a mentira, eu tendo a achar que Reid fez o certo em optar pela honestidade, mesmo que não tenha funcionado ali.

Oscar Wilde disse: “Posso resistir a qualquer coisa exceto tentação.”

P.S. Olha, gostei bem desse novo namorado da Penélope! Feliz dela estar indo em frente e a cena final foi estranha e linda.

P.S. do P.S. A cena de Reid com o menino no sanatório foi me deixou arrepiada. Que louco ele!

P.S. do P.S. do P.S. E a vontade de dar colo pro Reid no finalzinho quando Hotch conversa com ele, a gente faz o que com ela?

P.S. do P.S. do P.S. do P.S. Confesso que achei a justificativa de Strauss para o esquecimento do caso bem meia-boca, afinal eu duvido que qualquer diretor de unidade não ia se preocupar com um louco assassino capaz de perseguir seus agente tão de perto e ainda conseguir informações sobre os casos investigados que ninguém mais tem. Acho que o assassino da noite poderia ter matado mais gente e o retorno da equipe ser indispensável, por exemplo.

P.S. do P.S. do P.S. do P.S. do P.S. Medo porque algumas pessoas na internet estão dizendo que o novo namorado da Penélope pode ser o Replicador. Não gostaria mesmo, afinal ela já sofreu uma vez por ter se interessado pelo homem errado, né?

Último P.S. Amo o apartamento da Penélope!

Escrito por Simone Miletic

Formada em contabilidade, sempre teve paixão pela palavra escrita, como leitora e escritora. Acabou virando blogueira.

Escreve sobre suas paixões, ainda que algumas venham e vão ao sabor do tempo. As que sempre ficam: cinema, literatura, séries e animais.

Deixe uma resposta