NCIS: Family First (13×24)

No meu mundo ideal as séries acabam quando ainda são muito boas, seus personagens principais não morreram inutilmente e posso dormir imaginando o futuro deles como se fossem pessoas reais. No meu mundo ideal NCIS provavelmente teria acabado na nona temporada depois de uma temporada inconstante, mas com uma bela sequência de episódios finais e todo mundo vivo.

Só que aí não teríamos tido Gone, ou Shiva, ou Squall, ou Shooter. Ou mesmo Bishop, para quem metade do público torce o nariz e de quem eu gostei logo a primeira vista.

A verdade é que, com treze anos de história, é difícil escapar da partida de alguns personagens principais e da repetição de algumas histórias, mas eu continuei aqui, afinal existem coisas que fazem de NCIS, NCIS, e por elas eu volto. Pelo amor a pátria, o cuidado com a história dos veteranos, por seus personagens que conheço como se fossem membros da família.

Só que a cabeça dos produtores e roteiristas tem ideias e algumas vezes as ideias são interrompidas por vontades próprias. Acho que foi isso que aconteceu quando Cote De Pablo resolveu deixar a série. Não poderia ser em momento pior: depois de anos de enrolação os roteiros vinham aproximando Ziva e Tony e pareciam a beira de colocar juntos o casal queridinho de muitos fãs.

Fico imaginando a cara de “o que a gente faz agora” quando ela não renovou o contrato  e a dificuldade de fazer uma história que justificasse a partida e não fosse repetida – matá-la e fazer a equipe buscar justiça já tinha sido usado antes. Tivemos então a morte do pai de Ziva e da esposa de Vance e os episódios que se seguiram na busca da mesma justiça, mas com a cara um pouco diferente.

E então ela deixa a série para voltar a morar na casa que um dia foi de seus pais e tentar encontrar alguma paz. Ela não pede que Dinozzo vá com ela, ela sabe que esta é uma escolha só sua. Ele volta pra casa, ele recomeça a vida de um outro jeito.

Ele trabalha e a cada episódio temos a certeza de que para ele, assim como para o Gibbs, o NCIS representa não só seu trabalho, mas sua família.

Só que aí Michael Waterly também quer deixar a série e os roteiristas se vêem de novo na mesma sinuca de bico – nunca entendi a expressão.

O que faria Tony Dinozzo deixar o NCIS? Uma outra agência? Não. Ir atrás de Ziva? Depois de tanto tempo? Não. Morrer? Eles não teriam coragem (ainda bem). O que faria Tony deixar sua família? Bom, uma nova família talvez e com a opção Jeanne queimada há alguns episódios atrás, temos a chegada de Tali.

ncis Family First 13x24

A filha que Tony não sabia que tinha. A menina que tem os olhos da mãe (a moça do Mossad pode a vontade achar que não) e o sorriso do pai, além do mesmo tom de cabelo. O segredo que a princípio Ziva deve ter guardado para não ter uma briga infinita com Tony porque não ia querer que ele largasse sua vida nos EUA e ela não ia querer deixar Israel. E que depois se tornou um segredo grande demais para simplesmente ligar um dia e contar. Ela devia viver a procura da hora certa para contar, pena que ela nunca chegava.

A morte de Ziva, então, nos parece desnecessária, triste demais, infeliz. Mas a verdade é que este tipo de segredo quase sempre só é revelado assim. E com Tali sozinha, bem, é não somente aceitável, é esperado que Tony deixe a vida em perigo para ficar com ela. Ela agora é sua família.

NCIS family First 13x24 Tali Tony Ziva

Family First então é um episódio sobre justiça, com Tony e o resto da equipe buscando pelo verdadeiro culpado pela quase morte de Fornell e pela morte de Ziva, e vira um episódio sobre despedida, em que Tony deixa uma família para iniciar outra. O bom é que na verdade ele não deixa uma família, ela sempre estará com ele, ainda que ele não esteja em campo com eles.

Ainda que ele não esteja ali para levar um tapa na cabeça de Gibbs ou para fazer piada com o McGee.

Family First está longe de ser um episódio perfeito – o cansaço aparente de Gibbs ao longo de toda temporada me incomodou ainda mais neste episódio em que esperávamos tudo menos calma dele -, mas foi o episódio possível com o que tinham e, mais que tudo, foi um episódio que respeitou os fãs ao mostrar Tony tomando uma decisão madura.

Afinal, assim como os quilos a mais, se teve algo que Tony fez ao longo deste treze anos foi amadurecer. Quase sempre da maneira mais difícil.

NCIS Family First 13x24 s13e24 Tony farewell - Despedida do Tony

Escrito por Simone Miletic

Formada em contabilidade, sempre teve paixão pela palavra escrita, como leitora e escritora. Acabou virando blogueira.

Escreve sobre suas paixões, ainda que algumas venham e vão ao sabor do tempo. As que sempre ficam: cinema, literatura, séries e animais.

5 Comentários


  1. Não sei o que os roteiristas vão fazer na próxima temporada, porém uma coisa tenho certeza, não será o mesmo sem Tony!

    Responder

  2. o tapa na cabeça do Tony foi substituída por um carinhoso afego pelo Gibbs e isso me deixou emocionada

    ver a partida de Tony é um aperto no coração, acompanho o personagem desde o crossover em JAG em que deu inicio a série, e lá se vão 13 anos

    fiquei também emocionada em ver a foto da Kate na caixa dos pertences do Tony em uma clara lembrança a personagem

    chorei muito, a história toda envolvendo Ziva e resultando nesta linda criança pra mim é a mais bela opção para a partida de um personagem tão querido

    e dei aleluia para os roteiristas não terem dado uma de Shonda ou George Martin para não matar o Fornell, alias sou uma pessoa que não quero de forma nenhuma viver ligada a tubos mas no caso do Fornell era claro que ele ainda tinha muita chance para viver …. então dei pulos de alegria quando Gibbs rasgou ao papel

    sobre o cansaço de Gibbs vale lembrar o atentado em que ele vem a cada dia recuperando e lutando para deixar pra trás

    agora é torcer para que a próxima temporada tente se superar para não ser a última temporada de uma série tão querida por muitos

    Responder

  3. Acho que estou igual ao Mark Harmon e o Michael Weatherly – cansada. 3 coisas são recorrentes nas séries que gostei – trabalho=família, vingança e relacionamento entre colegas, parece um mantra, as histórias deixam de ser diversificadas e ficam apenas em cima do elenco (vide quantas coisas já aconteceram só com o Gibbs). Estou meio cansada de ver as séries policiais/investigativas. O Dinozzo foi um dos personagens mais queridos de todas as séries, mas a série em si já devia ter acabado.

    Responder

  4. O final do Dinozzo foi bem parecido como o do Derek em Criminal Minds. Deixam tudo para cuidar da familia. Os roteiristas deveriam ter mais cuidado para não repetir os finais de uma serie e outra. Mas sentiremos falta dos dois personagens que deverão serem substituidos a altura. Aguardemos.

    Responder

  5. Tony saiu na hora certa, pois ele não é mais um garotão pra continuar pousando de conquistador ou levando tapas na cabeça. Já estava um pouco ridículo. Gostei da solução dele sair pra cuidar da nova família, e, sim, chorei muito.

    Responder

Deixe uma resposta