Criminal Minds: The Night Watch (11×05)

Lewis: “Como eu estou?”

Rossi e Reid: “Bem” “Ótima”

Lewis: “Bom, porque eu ontem fiz uma dieta e perdi 85 quilos”

Se teve um momento em que eu adorei Lewis foi neste. Neste e quando, ao final do episódio, ela fala que escolheu a si mesma. Good for you, girl! Good for you!

E se o episódio começou e terminou com ela, bem, ela também teve importante papel na investigação do artista de rua que estaria assassinando pessoas em Detroit.

Criminal Minds The Night Watch 11x05 s11e05

O episódio, dirigido por Thomas Gibson, nos envolveu com um assassino que estaria colocando suas vítimas em “obras de arte” urbanas para protestar contra a especulação imobiliária – também tema de um dos episódios desta temporada nova de Arquivo X -, mas que acaba se revelando uma trama de vingança.

Acho que podemos classificar como vingança um homem que tenta acabar com o trabalho da ex-esposa, a verdadeira artista a quem as obras dele estavam sendo atribuídas, e depois matá-la porque ele não conseguiu se recuperar da morte do filho dos dois anos antes.

A montagem do verdadeiro cenário só é possível graças a Reid, que primeiro identificou as diferenças entre as assinaturas nas diferentes cenas do crime e, depois, o fato do mesmo cobertor ser encontrado nas obras da verdadeira artista e do imitador, com diferenças em seu estado de conservação.

É o cobertor, em verdade, que acaba sendo a peça chave que permite que Garcia identifique os personagens da trama e chegue ao local a tempo de salvar o bebê. Achei uma pena que não salvaram a artista… Ainda que eu achasse que ela talvez não sobrevivesse de qualquer forma.

Apesar do assassino ter uma loucura que não pode ser culpa de ninguém, a verdade é que provavelmente ela acrescentasse esta a que já carregava por seu filho.

Escrito por Simone Miletic

Formada em contabilidade, sempre teve paixão pela palavra escrita, como leitora e escritora. Acabou virando blogueira.

Escreve sobre suas paixões, ainda que algumas venham e vão ao sabor do tempo. As que sempre ficam: cinema, literatura, séries e animais.

Deixe uma resposta