Haven: The Trial of Nathan Wuornos (5×16)

Esse foi o episódio que provou para mim que é impossível gostar de algo quando a premissa de toda a história te incomoda e aqui ela começa já no título deste episódio de Haven.

Vamos dizer que o que Haven está passando pode ser considerado um cenário pós-apocalíptico, certo? Com isto na cabeça nós conseguimos entender várias das liberdades que vem sido tomadas nesta segunda parte do episódio como o banimento de pessoas para a morte certa (ainda que não tenha sido isso exatamente que aconteceu) sendo aceito por todo mundo dentro daquele ginásio, afinal a cidade é pequena e seria fácil imaginar alguém se opondo a isso, pelo menos uma pessoa.

Então tempos Nathan voltando de sua missão sem Kira e sendo submetido ao maluco julgamente liderado por ninguém menos que o ex-noivo da moça.

Eu conseguia imaginar vários cenários para a volta de Nathan e todos eles consideravam a moça morta e em nenhum deles eu imaginei o que se seguiu. Imaginei Nathan contando que eles foram atrás do éter e que a garota caiu no buraco ou que eles foram atacados por alguma outra perturbação não listada.

Mas, não. Na verdade Kira nem ao menos tinha morrido e isso só piorou tudo o que se seguiu.

Sim, ela e Nathan encontraram o éter, MUITO éter, e ela se machucou ficando presa embaixo de madeira. A ideia de Nathan de falar que ela morreu era evitar que o pessoal saísse do ginásio para salvá-la e isso prejudicasse que eles usassem o éter.

Haven The Trial Of Nathan Wuornos 5x16 s05e16

Por que? Do mesmo jeito que organizaram o julgamento, não podiam simplesmente ter falado que ela se feriu e organizado um grupo de busca, ainda mais considerando a histórica toda da escuridão eu duvido que todo mundo do ginásio resolvesse sair dali ao mesmo tempo.

A premissa do episódio foi usada com três propósitos: a bonita (não gostei) cena do discurso do Nathan fazendo com que ele volte a ser o herói (o que tinha sido perdido com o que vimos de Duke na primeira parte dessa temporada), a revelação de que o ex-noivo de Kira era o responsável pela perturbação da escuridão e para que Charlotte e Dwayne ficassem juntos.

Eu dispensaria o primeiro e o último, e não vi grande impacto na segunda, tirando o fato de que essa história da escuridão não podia ser levado mais longe mesmo.

Enquanto isso, fora da cidade, vemos Duke sendo dominado pelas perturbações de tal forma que eu não vejo como ele voltar ao normal sem a ajuda do pessoal da cidade, que não faz ideia de onde ele está e que a guria que atravessa paredes nem faz ideia de quem são…

E, para não ficar sem gancho, vemos Charlotte revelar que precisará da ajuda de Audrey para controlar o éter e a garota sendo atacada por um dos problemáticos. Ou seja: a solução até foi encontrada, mas não será fácil.

Escrito por Simone Miletic

Formada em contabilidade, sempre teve paixão pela palavra escrita, como leitora e escritora. Acabou virando blogueira.

Escreve sobre suas paixões, ainda que algumas venham e vão ao sabor do tempo. As que sempre ficam: cinema, literatura, séries e animais.

Deixe uma resposta