Sleepy Hollow: The Golem (1×10)

Eu fico tentando fugir de comparar Sleepy Hollow e Supernatural, mas tem vezes que fica impossível. Como agora, em que o “monstrinho” central da história do episódio é justamente o mesmo de um de meus episódios favoritos de Supernatural para sempre.

Sleepy Hollow: The Golem 1x10 s01e10

E nos dois casos o golem surge pelo menos motivo: salvar uma menino em perigo. Só que aqui o filho de Ich, então a coisa ficou pessoal e ainda mais emocionante. Sim, eu confesso que já estou bastante apegada com Ich e Abbie e é impossível não sofrer junto com o inglês que só descobriu sobre o filho quando já era tarde demais para qualquer coisa.

Quer dizer, a gente acha, mas precisamos lembrar que estamos falando de acontecimentos sobrenaturais aqui e nada impede que o menino retorne, não é mesmo? Até porque Ich já foi enterrado vivo e tá aí livre leve e solto e fazendo piadinhas com meias gigantes de Natal e, ainda, buscando recuperar a esposa no purgatório. Então ninguém está definitivamente morto por aqui.

E outras duas coisas muito importantes aconteceram no episódio: a volta de nosso devorador de pecados – vibro de emoção – e a ameaça de Moloch cheia de segredos. O que acontecerá que faria Ichabod dar sua alma e de Abbie para o demônio?

P.S. Por um momento eu quase enfarto ao saber que o filho de Ichabod havia sido adotado pela família de Abbie, imaginei que ela fosse a tataraneta dele. Vocês também?

P.S. do P.S. A história de Ich que mais gostei neste episódio foi da explicação sobre o Egg Nog.

P.S. do P.S. do P.S. E eu gostando do capitão cada dia mais, quem diria? Além disso, bem assustador esse negócio de ter um demônio te perseguindo.

P.S. do P.S. do P.S. do P.S. Homens maus em orfanatos me assustam bem mais que bruxas estranhas.

Escrito por Simone Miletic

Formada em contabilidade, sempre teve paixão pela palavra escrita, como leitora e escritora. Acabou virando blogueira.

Escreve sobre suas paixões, ainda que algumas venham e vão ao sabor do tempo. As que sempre ficam: cinema, literatura, séries e animais.

Deixe uma resposta