Scandal: Say Hello to My Little Friend (3×4)

Outro dia eu “conversava” com uma leitora aqui do blog (nos comentários, sabem como é?) sobre essa coisa de fazer maratonas com as séries, ou seja: assistir um episódio depois do outro em ritmo alucinado, devorando temporadas rapidamente.

Algumas séries são muito boas de se fazer isso: Orphan Black, Doctor Who, Numb3rs. Outras sobrevivem bem a super exposição, ainda que com uma declínio da “paixão”, como Downton Abbey e House Of Cards (esta não sofre declínio se você assistir a uma temporada e depois a outra com intervalo entre elas, mas se torna cansativa se você emendar as duas como eu fiz). Outras são pesadas e é melhor nem tentar, como Hannibal, Game Of Thrones e True Detectives, por exemplo, para garantir sua sanidade. Outras, já não tão boas de saída, parecem pior ainda na sequência, e foi justamente isso que iniciou nossa conversa porque ela havia assistido Hostages em ritmo de maratona, ficando muito mais cansada que eu que vi um episódio por semana.

Eu jamais conseguiria ver Scandal em ritmo de maratona, até para evitar que eu pegasse um avião até os EUA e tentasse assassinar a atriz que interpreta a Olivia Papo. E começo a achar que emendar uma temporada na outra, ainda que em episódios semanais, talvez também não tenha sido uma grande ideia.

Scandal: Say Hello to My Little Friend

Pelo menos esta é a sensação ao chegar ao quarto episódio da terceira temporada, que todo mundo elogia tanto como a melhor e que fez a atriz ser até indicada aos Golden Globes, e eu falar: ah, então tá.

E eu nem entro no mérito da protagonista e de seu par Idiota-Kennedy, mas no fato de que os cortes de edição e os diálogos rápidos começam a ser tornar cansativos e nem mesmo meu amor por Hank e David salvam o episódio – genteeeee, ontem vi um episódio de I-carly com a filhota e o ator que faz o David faz uma ponta tocando guitarra, usando bermuda e levando um banho de milk-shake, sensacional!

Um episódio que devia ser eletrizante, afinal o escritório conseguiu o pior cliente que poderia ter e mesmo assim eu acabei fazendo outra coisa enquanto assistia a ele. Péssimo sinal.

Pelo menos teve a excelente virada na história com a esposa devotada sendo revelada como assassina, não é mesmo?

P.S. Tá, então o que deixou o Cyrus de queixo caído foi algo em uma missão do Idiota-Kennedy que incluía Jake e o avulso assassinado no episódio passado. Pelo menos isso pode causar alguma empolgação nos episódios por vir.

P.S. do P.S. Ah, e vamos ter Pheebs a frente, agora congressista e provavelmente candidata a presidência. Tá, prometo me empolgar nas próximas semanas.

P.S. do P.S. do P.S. Sensação de que estão errando a mão com Quinn e Huck, algo de que eu gostava tanto.

P.S. do P.S. do P.S. do P.S. E essa cara da Olivia e Jake? É, a vida não tá fácil não.

Escrito por Simone Miletic

Formada em contabilidade, sempre teve paixão pela palavra escrita, como leitora e escritora. Acabou virando blogueira.

Escreve sobre suas paixões, ainda que algumas venham e vão ao sabor do tempo. As que sempre ficam: cinema, literatura, séries e animais.

2 Comentários


  1. Simone, eu não consigo torcer pela Olívia e Fitz. Oh, casalsinho chato. Agora, veja, além de também gostar de Huck e David, tenho uma quedinha pela Mellie. Joshua Malina, que interpreta David, participou de alguns episódios de In Plain Sight, como o noivo da irmã de Mary, lembra? Aliás, você viu a season finale dessa série?

    Responder

    1. Eles são chatos demais, por isso eu fico na eterna torcida da Mellie dar uma de doida, largar dele e seguir carreira política.Já pensou?

      Eu não assisti In Plain Sight, foi uma sacrificada em uma época em que as sextas eram lotadas. Agora meu problema está nas segundas…

      Responder

Deixe uma resposta