Bones: The Maiden in the Mushrooms (8×21)

Imaginem Brennan há 5 anos. Imaginaram? Você tem a lembrança de uma mulher extremamente racional e que não entende certas manias e preconceitos que os outros tem sempre sacando uma explicação sobre a lógica de algumas coisas acontecerem baseado no que ela conhece de evolução e costumes? Quantas vezes ela citou uma tribo distante ou uma fase do desenvolvimento para exemplificar porque não deveríamos nos assustar com algo? Pois esqueçam esta Brennan e coloquem no lugar uma neurótica em crise porque sua filha mordeu a coleguinha de creche.

Bones: The Maiden in the Mushrooms (8x21)

Sim, este é mais um texto em que eu xingo os roteiristas de Bones falando sobre um episódio que me lembrou da pior fase da série – entenda como “a temporada passada” – em que eles parecem ter se esquecido de quem são os personagens que tanto amamos e colocam no lugar pessoas que desconheço.

Pelo mesmo Shonda Rhymes só foi fazer isso com a Addison quando trocou a moça de série e não na mesma série.

E olha que nem era para ser um episódio tão ruim: ao colocar como vítima da noite a produtora de um desses programas sensacionalistas de julgamento que os americanos tanto adoram, eles bem podiam ter gerado um bom episódio. Eles até conseguiram que eu ficasse curiosa sobre a estranha relação da garota e sua mãe e sobre como o corpo foi parar naquele lugar abandonado. Preferia mais tempo gasto com os possíveis suspeitos e menos com o gasto de recursos do museu com a tentativa de provar que Cristine não mordeu a coleguinha.

Ah, falando em recursos: aqueles que não foram gastos com isso, foram gastos descobrindo a fórmula secreta de um molho de pimenta sensacional. Olha, ainda acho esse gasto mais útil que o outro.

No final, a descoberta de que o namorado da moça que a matou depois dela ter maltratado o cachorro que os dois dividiam. Posso falar? Morte bem merecida, viu?

P.S. Um corpo com cogumelos jamais terá o mesmo impacto depois de Hannibal, tentem outra coisa.

P.S. do P.S. Nesta semana assisti a um episódio de Numb3rs da segunda temporada em que a Cam é a diretora de um centro de jovens e o Weaver de Falling Skies é um coronel da polícia. A Maggie, também de Falling Skies, também passou pela série no papel de uma promotora.

 

Escrito por Simone Miletic

Formada em contabilidade, sempre teve paixão pela palavra escrita, como leitora e escritora. Acabou virando blogueira.

Escreve sobre suas paixões, ainda que algumas venham e vão ao sabor do tempo. As que sempre ficam: cinema, literatura, séries e animais.

6 Comentários


  1. haahahahahahah ….

    eu também cheguei ao final com o mesmo pensamento “Morte bem merecida, viu” …. e ainda fiquei querendo um ótimo advogado pra tirar o moço da prisão

    Numb3rs é ótima, vale ser revista !!!

    Responder

  2. Simone seu texto é muito melhor que este episódio. Eu entendo que mãe é um pouco irracional, mas a Brennan não!
    Apesar de este episódio ter sido ruim do nível da temporada passada, eu achei justo o cara ter matado aquela vaca que não queria o cachorro, mas “lutou” pela guarda com o ex-namorado por birra!

    Responder

  3. Simone concordo com você morte bem merecida! Agora quanto a Brennan achei um esajeiro a reação dela,até porque a Brennan que a gente conhece não agiria assim né? Mais no final foi engraçado ver a Brennan tentando arranjar uma desculpa para a mordida que levou da Christine.

    Responder

Deixe uma resposta