Homeland: Beirut is Back (2×02)

Sem sombra de dúvidas prêmiode episódio com o maior número de palavrões por minuto desta temporada. Esta foi a conquista de Homeland ao colocar Carrie em Beirute e Brody em uma sala do Pentágono vendo uma equipe quase acabar com a vida de Nazir por monitores com imagens em preto e branco.

homeland beirut is back 2x02 saul

De novo a brincadeira de colocar em opostos parecidos Brody e Carrie, de novo tentando nos mostrar que nada é tão preto no branco quanto gostaríamos: Brody é testado por três vezes.

Na festa, o perceber claramente o jogo político e financeiro, que não liga para a nacionalidade das vitimas, mas para os problemas que podem sobrar do lado de cá e para o lucro que podem conseguir; depois na sala no Pentágono, quando arrisca absolutamente tudo ao mandar aquela mensagem (cujo significado eu não peguei, alguém?), finalmente no bar, quando resolve aparecer para falar com seus “amigos”.

Fiquei pensando o quanto ele se referia a si mesmo quando chamou Walker de traidor. Brody claramente entra em um conflito interno cada vez maior. Alguém faz uma besteira e ele vai em direção a Nazir, aí algo de nada o lembra o amor por seu país.

Confesso: é esse conflito interno o que mais me interessa aqui. Não é razão versus coração, é sempre coração. É sempre a busca por um caminho que traga menos danos e a certeza de que esse caminho não existe.

Do outro lado do mundo… Eu praticamente não respirei mais do momento em que Saul resolveu comprar o risco de estar errado – depois do desespero de Carrie eu também não via outra decisão possível pra ele, na verdade ele assumiu esse risco quando levou Carrie até lá – e passamos a acompanhar a ação nas ruas de Beirute, a expectativa.

Pra piorar eles vão e colocam Brody naquela sala. Ele escrevia a tal mensagem e eu gritava na sala de casa: atira logo, atira! Naquele momento, no qual o coração falou mais alto, Brody não foi capaz de pensar que a morte de Nazir poderia ser a única forma dele ser livre novamente.

Não somente isso: se Nazir morre, Carrie não faria roleta com a vida de todo mundo naquele carro e entraria naquela casa em busca de algo novo, de qualquer coisa. A busca pela sua redenção, a redenção pelo “seu maior erro” de ter perseguido Brody. Carrie que não lembra daquele minuto antes da terapia de choque e acredita que estava errada sobre o fuzileiro.

Ou pelo menos acreditava até aqui: quando Saul começa a juntar aquelas coisas, percebe algo escondido naquela mochila e coloca aquele cartão no computador eu sabia que ele descobriria algo, imaginei algo sobre Brody, uma referencia, uma foto, uma frase. Mas eu jamais imaginei o vídeo para o atentado que ele nunca realizou (momento de um palavrão bem falado).

Porque a referencia, uma foto, uma frase apenas recomeçaria o jogo de gato e rato que vimos na temporada passada. Agora, aquele vídeo? Poxa, não há o que negar ali, do que fugir.

Quer dizer, eu acho que não, mas eles são bem capazes de me enganar de novo… E não só a mim.

Escrito por Simone Miletic

Formada em contabilidade, sempre teve paixão pela palavra escrita, como leitora e escritora. Acabou virando blogueira.

Escreve sobre suas paixões, ainda que algumas venham e vão ao sabor do tempo. As que sempre ficam: cinema, literatura, séries e animais.

27 Comentários


  1. Simone depois deste episódio eu estou louca para ver o Brody se ferrar! Ele é traidor! Alguém que salva a vida de um terrorista que provavelmente matou muito gente do país dele tem que ser preso!
    A Carrie é que ama os Estados Unidos tanto que surtou! Merece ganhar uma medalha de honrar ao mérito!
    O Brody merece uma surra!!!!!

    Responder

    1. Camila, de forma alguma eu consigo ver as coisas do seu jeito. Não acredito em preto e branco, mas muitos tons de cinza (e nem estou falando do livro). Brody foi espancado, torturado e então um cara estendeu a mão. Mais que isso, ele mostrou que existia outra verdade, porque achar que os EUA são santos é a maior ilusão que existe, que ele desconhecia completamente. Nenhum de nós é capaz de entender o que significa tudo isso.
      Mais: ele se apegou a um garoto inocente, que nada tem a ver com os crimes do pai, e viu esse garoto ser morto pelos americanos e depois os viu mentindo sobre o que tinham feito.
      Pior: agora que está no poder ele todos os dias é colocado a prova vendo gente tomar decisões erradas, pelos motivos errados.

      Responder

  2. May 1st procurando pela internet verifiquei que tem o significado de MayDay …. ou seja socorro

    Brody enfrentando a cada minuto seu demônio interno me deixa cada episódio mais apaixonada, acredito que ele irá no final fazer a coisa certa por amor a família …. a Dana será peça principal para isso

    Responder

  3. Eu acho que a mensagem era um código entre eles….Episódio magnifico, tensão de 24 horas no ar, Agora achei um pouco marmelada Brody chegar na sala justo na hora H…..mas não estragou nada, foi perfeito, e a interpretação dois dois é de cair o queixo…..Eu fico aqui me matando e assisto junto com os EUA, sem saber bem o inglês e não é que só de olhares, gestos, já dá para pescar muita coisa……ôtimo review .bju

    Responder

    1. Nessa, a Cleide explicou aí, mayday – socorro, e eu acho que tem sua lógica, heim?

      Eu não achei furada não, na verdade achei que eles conduziram direitinho pra que não parecesse forçado.

      Menina: baixa as legendas. No dia seguinte já tem, não precisa sofrer.

      Responder

  4. Gente, até apertei o braço do meu marido – com força, coitado – quando aquele vídeo começou! Tô ansiosíssima pelo terceiro episódio!

    Responder

  5. Jesus eu xinguei várias vezes nesse episodio, primeiro pelas “agadas” da Carrie de colocar seus companheiros em perigo, ok ela estava certa e tal, mas um pouco de bom senso não MATA ninguém.

    Para tudo………..a cara do Saul foi tudo no final, deve ter passado na cabeça dele tudo o que ele não acreditou na Carrie, toda a “loucura” que ela fez para provar que o Brody era culpado e ninguém acreditou.

    Ainda acredito que o Brody não será um terrorista por completo….rsrsrsrsr(existe meio terrorista 🙂 ) no fim acho que o amor a filha e a família deve vencer, mas ele deve pagar pelos seu atos.

    É complicado julgar a mão estendida qdo ele estava no buraco, o amor que ele desenvolveu pelo menino, afinal foram 8 anos em outro mundo.

    Mas vamos esperar o que Homeland nos reserva.

    Responder

  6. Nossa Simone, você consegue expressar tudo que sentimos ao ver este episódio. Só percebi que estava segurando a respiração quando chegou a última cena.
    Como Homeland nos entrega este furo assim no 2o. episódio da temporada? Uma coisa que muita série deixaria para o último episódio com um gancho para a próxima temporada. E se eles fizeram isso imagina o que vem por aí.
    Como eu queria ver a CIA em peso pedindo perdão para a Carrie. Ela e Brody são minha paixão. Vai ficar difícil escolher um lado….

    Responder

    1. Sim, foi coisa de encerrar temporada e logo no comecinho?!? O duro é que agora a gente cria uma expectativa absurda pra como eles vão dar nós nessa gota, heim?
      Assim como você tenho paixão pelos dois personagens, me dá desespero pensar que ele possa fazer algo errado, que eu não possa perdoar.

      Responder

  7. Simone o terrorista estendeu a mão, mas com interesse eu até compreendo ele ter se apegado a criança, mas virar terrorista?! Não! O nosso país tem vários políticos tomando decisões equivocadas todos os dias e ferrando com a população, mas nem por isso eu vou virar terrorista e matar pessoas inocentes. Para mim você pode defender sua ideia, mas tudo tem limite!
    Eu sei que os Estados Unidos não são santos, mas só porque o meu governo faz algo errado eu tenho que fazer coisa pior? Ele ganharia o meu respeito expondo a população os podres da guerra!
    Simone a senhora acha que os soldados americanos não sabiam da outra verdade da guerra?
    Para mim eles sabem muito mais coisas que os civis o fato deles estarem no local!

    Responder

    1. É difícil julgar, acho que só estando na pele dele mesmo, ele foi ao abismo e então foi salvo, ele morreu em vida, não dá pra falar o efeito disso numa pessoa.

      E sim, eu acho que muitos soldados seguem pro front por amor a pátria e achando que o seu país apenas quer o bem de todos. O número de pessoas alienadas ainda vence de longe o número de esclarecidos.

      Responder

  8. Simone eu até peço desculpas para senhora se pareci grosas! Mas porque para mim o que o Brody está fazendo é errado e também não tem justificativa o que o país dele faz!
    Mas se ele sabe de algo errado ele tem que tentar mudar e não se alinhar a um terrorista! Porque não se muda algo errado fazendo a mesma coisa!

    Responder

  9. Simone você não acha estranho esse patriotismo da Carrie? Parece que ela tem essa paixão pelo trabalho movido por outro sentimento que não seja apenas patriotismo!
    Como se ela tivesse perdido alguém importante em algum ataque terrorista e isso a motivou ser obcecada pelo trabalho.
    Não ache que seja Spoliers ! Porque por incrível que pareça Homeland é a única serie que eu assisto que não leio nada! É só uma observação! E desculpe-me pelo erro na pala grossa!

    Responder

    1. Acho que isso é da doença dela mesmo, o bipolar ou esquizofrênico tem essa tendência de levar as coisas ao extremo: feliz demais, triste demais, obsessivo demais. Mas no começo da série falam de uma ação em que ela perdeu um cara que era informante dela e foi descoberto, lembra? Acho que ela se sentiu culpada demais por isso. Idem quando morreu aquela loira que tinha um caso com um ricaço.

      Responder

  10. Tati Siqueira o que mais gosto na Carrie e ela é minha personagem favorita é a determinação dela!
    Ela quase ferrou com a operação, mas ela sabia que aquelas informações eram importantes!
    E ela pode ser louca, mas está certa!

    Responder

  11. Simone na abertura serie tem uma conversa entre a Carrie e o Saul ele fala que tem mais de 10 anos e que todo mundo perdeu alguém naquele dia eu entendi como se ele tivesse falando do 11 de setembro e que ela tinha perdido alguém!
    O 5 episódio é um show de atuação é sensacional!

    Responder

  12. Homeland é MASSA!! A temporada ainda está melhor do que a primeira. Não há lado certo nessa guerra, é fato, mas concordo que matar civis inocentes não é, nem deve ser, opção para ninguém. Canso de ler comentários sobre o 11 de setembro de 2001 em que alguns falam que foi “bem feito” os EUA terem sofrido aquele atentado. Barbáries não podem ser justificadas, de nenhum lado. Os soviéticos mataram milhões em guerras civis. Injustificável. Os chineses idem, com o Grande Salto para a Frente. Sem falar na abominação da bomba atômica, atirada duas vezes. E nem dá para enumerar as barbaridades em nome de regimes políticos, religião… Por isso eu morri de raiva do Brody quando ele alertou o terrorista. O Issa morreu, por isso vai matar um montão de outras pessoas inocentes? Por que não pegou uma arma e matou o vice-presidente, ou aqueles que ele achou responsáveis?

    Responder

  13. Fabiana Mello durante a ditadura no Brasil tinha grupos que faziam atos terrorista “pelo o bem do povo” para mim esses grupos eram tão ruim como o governo

    Responder

  14. Fabiana Mello durante a ditadura no Brasil tinha grupos que faziam atos terrorista “pelo o bem do povo” para mim esses grupos eram tão ruins como o governo

    Responder

  15. TRISTEZA. FOI ISSO O QUE EU SENTI AO ASSISTIR O DIÁLOGO DE CARRIE COM SAUL NO ALTO DO PRÉDO… QUANTA ANGÚSTIA A DO PERSONAGEM AO QUESTIONAR SUA PRÓPRIA SANIDADE. ESSE, PARA MIM, FOI O PONTO MÁXIMO DO EPISÓDIO.

    QUANTO AO MYDAY, TERIA QUE SER UM CÓDIGO ENTRE ELES CASO O CELULAR FOSSE DETECTADO.

    ACHO QUE BRODY SOFRE DA Síndrome de Estocolmo. E TUDO O QUE ELE SOFREU EM CATIVEIRO NÃO FOI NADA FÁCIL, ESPANCAR O AMIGO, POR EXEMPLO. ACREDITO QUE O FIM DO PERSONAGEM SEJA OU SUICÍDIO, OU MORTO PELAS MÃOS DE CARRIE.

    Responder

Deixe uma resposta