Once Upon a Time: Fruit of the Poisonous Tree (01×11)

O Gênio da lâmpada é libertado por um poderoso rei, no processo acaba se apaixonando pela rainha, que usa este amor para conseguir o que queria: a morte de seu marido. Sendo responsabilizado pela morte do rei o Gênio, ainda apaixonado, escolhe, ao invés de fugir, viver para sempre ao lado da amada e acaba, assim, preso dentro de um espelho encantado por todo o sempre.

Gente: que história mais feliz!! É até curioso pensar que ninguém tinha pensado nisso antes dos roteiristas de Once Upon A Time que, com isso, conseguem nos entregar mais um belo episódio, ainda que com um final de nos deixar irritadíssimos com a ideia de que Emma está sendo enganada, não é mesmo?

Mas eu entendo, afinal, a gente espera dos outros aquilo que faríamos e a moça não só é cheia de bondade no coração como ainda acredita que as pessoas possam mesmo se irritar com as maldades que Regina faz pela cidade.

Se, por conta disso, a gente entende, do outro lado a gente fica louco da vida porque Emma continua cometendo os mesmos erros: ela passa o episódio todo falando que só vai lutar contra Regina da forma certa, mas vai lá e usa as meias informações que tem em mãos para confrontar a mulher na frente de todo mundo e acabar com cara de tacho. Pelo menos tivesse enfrentado a prefeita em sua sala – tá, eu sei, aí o roteiro não teria o mesmo impacto.

Do outro lado, ela continua se mantendo a distância do Sr. Gold, que é o único que teria interesse em ajudá-la a enfrentar a bruxa. Tsc, tsc!

E, no finalzinho, tem o tal escritor. Que agora tem o livro do Henry. E eu não consigo fazer nenhuma aposta do que ele pretende ou de quem ele é… Nem ao menos consigo saber se ele é mocinho ou bandido…

P.S. Logo no primeiro episódio Emma fala que seu super poder é ver quando os outros estão mentido. Bom: e então, né?

P.S. do P.S. Mary falando se é amor vai acontecer. Super fofo!

Escrito por Simone Miletic

Formada em contabilidade, sempre teve paixão pela palavra escrita, como leitora e escritora. Acabou virando blogueira.

Escreve sobre suas paixões, ainda que algumas venham e vão ao sabor do tempo. As que sempre ficam: cinema, literatura, séries e animais.

4 Comentários


  1. …”O Gênio da lâmpada é libertado por um poderoso rei, no processo acaba se apaixonando pela rainha, que usa este amor para conseguir o que queria: a morte de seu marido”…

    Só uma palavra a respeito do gênio da lampada: INGRATO!

    Bem feito que ele é feito de capacho.

    Responder

  2. “Do outro lado, ela continua se mantendo a distância do Sr. Gold, que é o único que teria interesse em ajudá-la a enfrentar a bruxa. Tsc, tsc!”

    Ela está seguindo o conselho do Henry: ela já deve um favor a ele, nem sonhando pode ficar devendo outro.

    Responder

    1. Hummm, isso é verdade, né? ele nunca sai perdendo (que nem banqueiro, que meu marido diz para seguir se estiver se atirando de uma janela porque alguma coisa ele vai ganhar com isso)

      Responder

Deixe uma resposta