NCIS New Orleans: Foreign Affairs (2×05)

Se nos episódios anteriores o foco foi maior no luto de LaSalle, Foreign Affairs nos lembrou que Pride também tem “seu próprio luto” para lidar. Ao que parece sua ex-esposa já seguiu em frente e a presença de sua filha e da bonita agente australiana foi para lembrá-lo de que ele também deve fazer o mesmo.

E eu devo dizer a vocês que eu amei o fato dele não ter corrido para o abraço, acho que ele não está precisando da tal relação de “rebate” depois de um longo relacionamento e eu não sei dizer se o nível de irritação que ele sentiu com a moça foi do tipo charmoso ou se foi um tanto além do que deveria – do tipo em que você sente vontade de deitar a pessoa no colo e dar umas palmadas porque ela parece uma criança mimada, sabem? Por enquanto vamos deixá-lo tocando piano e curtindo seu novo brinquedo-bar.

ncis-new-orleans-foreign-affairs-2x05-s02e05

Mas este não foi o único relacionamento destacado pelo episódio: a morte de um marinheiro australiano em solo americano acaba se revelando como a ponta de uma relação doentia entre uma cantora de bar e seu pianista. Eu não sei vocês, mas quando a câmera ficou no moço por mais de dois minutos quando LaSalle e Brody chegaram para interrogar a moça eu já desconfiei que ele ia ser fonte de problema.

No final das contas ele se revelou “a” fonte de problemas: o tal marinheiro morto, e que teve o dedo enviado pelo correio para o marinheiro americano que trocou de lugar com ele e estava na Austrália, foi apenas mais uma vítima em uma linha de relacionamentos mal sucedidos que a cantora havia tido.

A dica do dia é: se todos os seus relacionamentos terminam de forma drástica, talvez não seja azar, mas um psicopata apaixonado.

E se a ausência de Percy foi justificada por um treinamento eu aviso aos roteiristas que quero ver quando ela descobrir as peças que seus colegas do quinto ano prepararam pra ela e a vingança que ela vai ter depois.

P.S. Falando em psicopata apaixonado: confesso que achei que a moça australiana sabia demais sobre todo mundo, deu até medo.

P.S. do P.S. Ross e LaSalle tiveram os melhores diálogos deste episódio.

Escrito por Simone Miletic

Formada em contabilidade, sempre teve paixão pela palavra escrita, como leitora e escritora. Acabou virando blogueira.

Escreve sobre suas paixões, ainda que algumas venham e vão ao sabor do tempo. As que sempre ficam: cinema, literatura, séries e animais.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *