Legends Of Tomorrow: The Magnificent Eight (1×11)

Legends Of Tomorrow The Magnificent Eight 1x11

Confesso uma inclinação grande por episódios em que viajantes do tempo vão ao passado – Doctor Who sempre foi muito feliz no quesito – e Legends Of Tomorrow nos ofereceu isso com o benefício de um roteiro americano: voltamos ao velho oeste.

The Magnificent Eight  foi um divertido episódio em que nossos heróis-não-heróis foram parar numca destas cidadezinhas no meio do nada dominada por uma quadrilha de bandidos. A ideia era despistar os caçadores de recompensa que agora estariam atrás do grupo e se reorganizar para a próxima tentativa contra Savage.

Só que Ray foi invadido pela sensação de inutilidade da missão deles – eles vão, tentam matar Savage e falham miseravelmente – e agir como um herói de verdade libertando a cidade. Confrontado com a ideia de que os bandidos simplesmente seguiriam para a cidade seguinte, ele tem de destruir o grupo para não cair no mesmo erro que, descobrimos, Rip já tinha cometido.

Se sozinho isso não poderia dar muito certo, o episódio mostrou de novo que eles trabalham bem juntos – só precisam lembrar de fazer isso mais vezes.

Então não dá para dizer que eles conseguiram realmente se organizar para o próximo passo… E o segundo objetivo também falhou, já que os tais caçadores apareceram na cidade. Esse povo dos Mestres do Tempo parece bem eficiente na caça.

Depois de se livrar deles também – e da certeza de que ninguém da cidade vai admitir o que viu para não ser chamado de louco – eles descobriram que o problema ficou pior: a pior caçadora agora deve ir atrás de nossos personagens quando jovens, eliminando-os antes deles se tornarem esses heróis tortos que temos aqui.

Perceberam: pegaram Chronos (Rory), veio um exército de caçadores, eliminaram os caçadores, veio essa moça aí, de quem todo mundo tem medo…. Agora quem tem medo sou eu do que vai aparecer quando eles se livrarem desta.

P.S. Eu entendo Martin não deixando aquele garoto morrer de tuberculose, difícil resistir e simplesmente deixar alguém morrer assim tendo recursos para salvá-lo. A descoberta de que ele teria salvo HG Wells, mais o fato daqueles caçadores do espaço serem vistos pelo garoto, é mais um exemplo do bootstrap paradox (aquele que nos faz não saber o que veio primeiro), não é? Para quem não conhece, HG Wells foi o escrito considerado criador da ficção científica.

P.S. do P.S. Blablabla a Passarinha encontrou com outra versão dela e blablabla um destino terrível e blablabla Zzzzzzz…

Escrito por Simone Miletic

Formada em contabilidade, sempre teve paixão pela palavra escrita, como leitora e escritora. Acabou virando blogueira.

Escreve sobre suas paixões, ainda que algumas venham e vão ao sabor do tempo. As que sempre ficam: cinema, literatura, séries e animais.

Deixe uma resposta