Sobre o Teleséries

Lá no blog ao lado eu já comecei vários textos com títulos como esse aí de cima. Já falei “das perdas”, “do mal gosto”, “da gentileza”. Quando eu pensei nesse texto aqui ao longo do último mês a maior dificuldade que eu tive foi pensar em um título.

Pensei em algo ao estilo de Friends, como  Aquele sem o Teleséries.

Talvez algo ao estilo Bones, podia ser dramático como A morte do site na internet ou algo como A saudade na despedida.

Queria usar algo de Criminal Minds, série sobre a qual eu comecei a escrever para o Teleséries, lá em 2007, mas ela não é das que tem padrão no nome de seus episódios.

Por muito pouco não usei What Kind of Day Has It Bean, como Aaron Sorkin usou em todas as séries que eu e o Paulo Antunes adoramos.

Mas acho que a melhor escolha seria a frase que dá título ao último episódio de Parenthood, outra triste despedida de 2015: May God Bless and Keep You Always.

Porque eu, na verdade, tenho o maior carinho do mundo para aquela que foi minha primeira casa e pelos amigos que ela me trouxe entre seus colaboradores e leitores. Porque carrego comigo lembranças queridas dos emails intermináveis no grupo, lembro de quando eu e o Eric discutíamos por causa de Grey’s Anatomy ou quando o Paulo Fiaes e eu éramos os únicos a gostar de Fringe. De quando conheci o Paulo em uma visita dele a São Paulo ou do carnaval que pulei matinê com o Alê Rocha e nossas famílias (saudades imensas do Alê!).

Porque torço para que Deus nos mantenha todos bem e que possamos ainda realizar outros sonhos, que podem ser menores ou maiores do que aqueles especiais malucos que a gente inventava, o importante é dividir a alegria da conquista com quem se quer bem.

parenthood farewell

****

Eu disse que escolher o título para o texto em que eu me despeço do Teleséries – que ficará sem atualização, mas que continuará a ser visitado por mim e por muita gente por muito tempo ainda – e eu meio que menti.

Difícil mesmo é aceitar que acabou. Acho que eu passei esse último mês querendo mesmo é que o Paulo mudasse de ideia, mesmo eu entendendo todos os motivos que o levaram a decidir pelo fim – até porque esses motivos me passam vez ou outra pela cabeça e acho que eu entendo duplamente.

Então fiquei olhando de longe enquanto ele publicava os textos de despedida e ontem fingi que não era o primeiro dia em que o site deixava de ser atualizado.

A citação que Spencer Reid faz no episódio The Fisher King de Criminal Minds, o primeiro sobre o qual escrevi, parece então adequada neste momento:

“Dizem que o tempo cura as feridas. Na verdade o tempo protege a mente, cobre com cicatrizes e diminui as dores, mas a ferida nunca vai embora.”

O bom, aqui, é que a ferida só existe porque ela significa que tivemos algo assim importante em nossas vidas.

Até logo, Teleséries! What kind of years we have had!!!

Escrito por Simone Miletic

Formada em contabilidade, sempre teve paixão pela palavra escrita, como leitora e escritora. Acabou virando blogueira.

Escreve sobre suas paixões, ainda que algumas venham e vão ao sabor do tempo. As que sempre ficam: cinema, literatura, séries e animais.

9 Comentários


  1. Eu parei de ler o Teleséries há uns 2 anos quando mudou muito o estilo da página, só ia lá muito de vez em quando. Mas foi com ele que aprendi a ler as reviews de séries, que aprendi o que era spoiler e por aí vai. Sinceramente, não sabia que você tinha sido da equipe. Então agradeço a você e a todos que passaram por lá por tudo. A vida é cíclica, mas algumas coisas poderiam durar mais.

    Responder

    1. Escrevi por 5 anos sobre Criminal Minds, fazia textos sobre Life e por um tempo sobre Grey’s Anatomy. Quando o Paulo optou por virar a chave e fazer textos pela agenda americana eu passei a escrever ocasionalmente para especiais. <3

      Responder

  2. Pôxa, eu nem acompanhava, mas fiquei com os olhos marejados por causa do seu texto (e da lembrança do Alê)…

    Responder

Deixe uma resposta