Doctor Who: Last Christmas (especial de natal 2014)

Olha outro órfão de final de ano que ficou pra trás sendo recuperado. Mas, como diria minha filha, “vou ser maior sincera” com  vocês: se The Newsroom ficou na geladeira porque eu sabia que ia chorar tudo de novo quando eu escrevesse sobre o episódio, esse aqui ficou pra trás, simplesmente, porque eu já mal lembro dele.

Eu fui “maior sincera” – entendam, estou tentando ensinar à Carol a não usar “maior sincera” ou “descer lá embaixo” e acabo falando essas duas expressões demais o dia todo – ao longo de toda essa oitava temporada: adorei Capaldi e seu misto de Eccleston com Tennant realmente modificados por tudo que lhe aconteceu nos últimos anos; gostei de vários episódios, apesar de ter sentido falta daquele episódio inesquecível que sempre nos resta a cada temporada; gostei das referências ao passado e as brincadeiras como o Mestre Mary Poppins.

Mas, talvez em medida equivalente, senti falta de grandes personagens ou fatos históricos sendo alterados e, principalmente, me incomodei com o tom que Clara acabou ganhando na temporada.

Um dia vi uma discussão em um grupo de fãs em que alguém reclamava de Clara “se achar mais importante que o Doctor” e outra respondendo “e daí? ela pode ser mais importante que o Doctor!”. Me desculpem, mas, não, ela não pode ser mais importante que o Doctor.

Ela não pode nem olhar para ele como igual, não com as centenas de anos, mortes, vivências que ele carrega em suas costas. Não enquanto justifica para ele, e para nós também, que o Doctor e suas viagens não passam de um passatempo.

E então o especial de Natal chegou e muito se especulou que seria a despedida definitiva de Clara Oswald e eu achei “tem lógica”. Tem lógica porque da forma como as coisas foram conduzidas ela levou um tempo para entender que aquele Doctor não era o “seu Doctor”, impressão que ela tinha quando seu rosto era mais novo, porque ela perdeu alguém que amava e porque, no final das contas, eu queria que ela partisse – ops.

Mas ela vai ficar, então respira fundo e olha o especial com outros olhos.

E se ele me lembrou do especial em que o Doctor volta ao passado e reencena sua própria versão dos fantasmas de Natal, algo ainda me incomodava. Pior, algo me incomodou até o seu final.

A ideia de que o episódio todo seria um sonho dentro de um sonho dentro de um sonho não foi ruim, mas não funcionou para mim. Claro, se você rever o episódio depois de saber a verdade você consegue enxergar algumas pistas de que isto estava acontecendo antes que o Doctor tenha que apontá-las para você. O momento em que essa ideia mais funciona é quando o Doctor tenta acordar Clara de seu sonho de Natal perfeito e a gente realmente fica com medo.

Assim como escolher o trenó de Papai Noel para dar carona aos sobreviventes é a melhor ideia de final.

No final das contas, fico achando que eu não poderia esperar mais deste especial, afinal a temporada toda tinha sido desta modo – ideias boas, alguns sorrisos, algumas lágrimas, frases inesquecíveis (Vocês tem um filme de terror chamado Alien?) e um pouco da velha magia.

Torço mesmo para que a próxima temporada consiga me surpreender agora.

P.S. Trocava Clara pela Shona facinho.

doctor-who-last-christmas especial de natal 2014

Escrito por Simone Miletic

Formada em contabilidade, sempre teve paixão pela palavra escrita, como leitora e escritora. Acabou virando blogueira.

Escreve sobre suas paixões, ainda que algumas venham e vão ao sabor do tempo. As que sempre ficam: cinema, literatura, séries e animais.

3 Comentários


  1. Eu trocava a Clara por QUALQUER UM, a essa altura. A Shona, ou qualquer daqueles coadjuvantes daquele episódio em que eles invadem um banco, lembra? Ou qualquer um. Mesmo.

    Perderam uma EXCELENTE chance de deixar a Clara pra trás. Fiquei mesmo furiosa com isso.

    Quanto ao especial em si (tirante os 2 últimos minutos, em que a Clara fica!), gostei bastante, achei que funcionou super bem e saquei o sonho dentro do sonho antes do Doctor falar, mas não saquei o sonho dentro do sonho dentro do sonho, se é que você me entende. 😛

    Responder

    1. Todo mundo na internet repete a mesma coisa: deixaram uma oportunidade perfeita para encerrar a trama de uma personagem que está claramente esgotada e agora vão ter de tirar leite de pedra não só ao longo da temporada como para que ela saia com alguma honra.

      Eram camadas de sonho demais, risos. Eu achei o episódio bem mais ou menos…

      Responder

  2. episódio parecia o filme do DiCaprio – Inception – onde eles mesmos criavam várias camadas de realidades em sonhos

    e medo daquele Papai Noel o.O

    já nem mais aguento falar da Clara, estou de saco cheio dela e pensar que teremos que aturar mais uma temporada com ela …. arghhhh … e olha que existem pessoas que não gostavam da Martha mas eu trocaria facilzinho pela Martha

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *