The Blacklist: Dr. James Covington (2×03)

Apesar de, para mim, Dr. James Covington ter representado uma grande melhoria em relação aos seus dois predecessores, The Blacklist ainda  fica devendo quando comparada a primeira metade da temporada de estreia e, como eu já disse antes, tudo por culpa da falta de vilões realmente interessantes.

E mesmo aqui ainda não tivemos algo perto do Homem da Sopa ou do cientista interpretado por Sean Leonard. James Covington prometia até o momento de surgir como o injustiçado que foi renegado por desafiar regras para salvar a vida de crianças.

The Blacklist

Trama criada para nos mostrar que Liz já não é a mesma, passando pela dúvida  de garota toda certinha que acreditava em tudo preto e branco para a mulher que descobriu ter sido enganada pelo marido e que convive diariamente com um bandido que, ela não conta mas, aprendeu a admirar.

Ainda que o dilema dela seja válido, prefiro a versão vilão ganha milhões usando órgãos de forma não autorizada e garantindo que um montão de bandido se mantenha vivo à margem da vigilância do FBI.

Além disso, senhor James Covington só deu as caras porque Red precisava que o FBI o pegasse – eles nem tinham esse vilão na lista deles, vejam vocês – para que ele garantisse um de seus muitos contratos de negócios.

E, é claro, enquanto ele colocou o povo para trabalhar para ele, ele foi cuidar da vida e descobrir em quem ele podia confiar ou não de seus “gerentes”. Eu já sabia que ele não ia ser enganado fácil do jeito que o roteiro estava conduzindo, mas não imaginei o moço de peruca feita e roupa espalhafatosa entre os seus.

O bom mesmo foi vê-lo dando uma aula sobre lealdade após nos contar de seu terrível emprego na infância. Definitivamente Red é um desses exemplos que nos provam que não é a experiência que você viveu que molda seu caráter, mas o que você tirou dela…

Trilha Sonora

Forever and a Day – Michael Rheault

Pilgrim – Fink

P.S. Eu ri quando uma amiga falou que esse pessoal do FBI é da mesma turma de formatura do pessoal de

 The Following. A gente ri porque, né, chorar não vale a pena.

P.S. do P.S. Nem precisava da conversa de Ressler com a Liz para didaticamente nos mostrar como ela mudou, o fato dela ter pedido ajuda extra para vasculhar o cemitério já nos mostrava isso.

P.S. do P.S. do P.S. Em uma coisa a Liz está certa: ninguém encontra Red, a menos que ele queira ser encontrado.

 

Escrito por Simone Miletic

Formada em contabilidade, sempre teve paixão pela palavra escrita, como leitora e escritora. Acabou virando blogueira.

Escreve sobre suas paixões, ainda que algumas venham e vão ao sabor do tempo. As que sempre ficam: cinema, literatura, séries e animais.

2 Comentários

Deixe uma resposta