Criminal Minds: What Happens In Mecklinburg… (9×21)

Episódios em que o assassino não é um psicopata, mas alguém que foi quebrado pelo sofrimento e busca justiça, são os mais difíceis de encarar. Primeiro porque empatizamos com o assassino, ainda mais aqui, segundo porque julgamos que a morte recebida era merecida pelas vítimas.

Criminal Minds What Happens In Mecklinburg… 9x21 s09e21

“Em questões de verdade e justiça, não há diferença entre problemas grandes e pequenos, com relação ao tratamento das pessoas eles são iguais.” – Albert Einstein

Para mim foi muito complicado. Primeiro tentei me colocar na situação de Sheila, que viu a irmã que ela criou voltar para casa de uma festa completamente embriagada depois de ter sido violentada. Depois viu o médico responsável pelo caso empurrando provas para baixo do tapete. Finalmente, nunca chegou perto de ver os responsáveis pagarem por seus crimes.

Mas é impossível se colocar na situação dela. É uma dor que não tem tamanho.

E é impossível, ainda que sejamos guiados pela moral e ética, ainda que sabedores de que a justiça com as próprias mãos não cabe em nossa sociedade, não pensar: eles tiveram o que mereceram.

Então é impossível desligar a televisão depois de assistir ao episódio e não sentir uma nuvem um tanto negra sobre nossas cabeças. Que fatos semelhantes jamais cruzem nosso caminho, não é verdade?

P.S. Achei legal JJ pegando no pé de Morgan, ainda mais porque a namorada dele é uma graça e está na hora dele assumir um compromisso.

P.S. do P.S. Além do desejo de justiça que pode explicar os sentimentos conflitantes que o episódio causou, é preciso reconhecer o trabalho da atriz que interpretou Sheila: caso ela fosse caricata, é provável que não nos sentíssemos da mesma forma.

P.S. do P.S. do P.S. JJ imitando Morgan foi algo a ser gravado para sempre, não foi não?

 

Escrito por Simone Miletic

Formada em contabilidade, sempre teve paixão pela palavra escrita, como leitora e escritora. Acabou virando blogueira.

Escreve sobre suas paixões, ainda que algumas venham e vão ao sabor do tempo. As que sempre ficam: cinema, literatura, séries e animais.

Deixe uma resposta