Body Of Proof: Mob Mentality (3×04)

Passo por algumas instabilidades de acesso – não é culpa do blog, mas da rede aonde estou – e este post pode só chegar a ser publicado quando eu voltar para casa… Se você leu antes, deu tudo certo, veja só!

Body Of Proof: Mob Mentality (3x04)

 Então Body Of Proof foi cancelada. De novo. Dizem que ela será oferecida a outros canais, mas aqui entre eu e você, pra que? No ano passado ela foi cancelada, trocaram mais da metade do elenco e ela voltou, nova e antiga, deixando todo mundo meio que confuso.

Mas não tão confusos quanto Kate, que nada tem da personagem das primeiras duas temporadas e de mulher independente e competente, ombro a ombro com Megan, virou alguém que nada faz a não ser buscar sucesso na carreira política… Que antes nem existia. Uma das perdas da nova Body Of Proof.

Dos ganhos: Tommy. Eu gosto mesmo dele, acho que o personagem, cujo passado tempestuoso começou a ser desenhado neste episódio e que teria mais a nos oferecer que um caso com Megan parece interessante.

Só que temos dois problemas: o primeiro é que Valley é mais famosinho, então a gente precisa dar mais tempo de tela para ele e na série antiga os detetives só faziam ponta, o destaque era da Megan. Para caber o Valley famosinho, Tommy vira o parceiro de toda hora de Megan, que parece ainda não ter encaixado na situação.

O segundo é que ele ganhou tempo de tela demais e ainda assim parece reduzido a um homem atrás de uma mulher. E isso não é nada Body Of Proof. A antiga pelo menos.

E ele tem um parceiro, Adam, que não é de todo ruim, mas aqui ganhou importância por ser filho de um advogado da máfia – Ray Wise, que a gente adora porque é Ray Wise ou o pai da Laura Palmer ou o padre de Psych.

Que é advogado de um moço – também conhecido como o pai da Ziva em NCIS – nem tão moço que é líder da máfia e tem passado em comum com o Tommy, ou conhece muito bem o Tommy, não sei ao certo, e que matou o próprio filho porque se sentiu traído.

Não, não foi bem isso, na verdade Michael, que não parecia importante até os instantes finais do episódio, armou tudo para que Russo, o moço não tão moço da máfia acabasse na cadeia e ele se tornasse o novo maioral.

Tudo meio clichê, eu sei. Além disso, Michael não tem cara de líder da máfia não.

 

Escrito por Simone Miletic

Formada em contabilidade, sempre teve paixão pela palavra escrita, como leitora e escritora. Acabou virando blogueira.

Escreve sobre suas paixões, ainda que algumas venham e vão ao sabor do tempo. As que sempre ficam: cinema, literatura, séries e animais.

2 Comentários


  1. Poxa, esse negócio de cancelar, “pero no mucho”, nunca faz bem a uma série – vide Damages, que virou um horror nas últimas duas temporadas… Até vejo BoP de vez em quando na TV (quando consigo acertar o horário da versão legendada), mas não é a mesma coisa do início. Claro que o bonitão ex-parceiro de Olivia Dunham faz diferença, pelo menos no colírio, mas as histórias ainda não estão muito interessantes.

    Responder

  2. Simone não tem como não te AMAR <3

    só vc mesmo para colocar no seu review o que passou pela minha cabeça durante o episódio, ou seja, só vc para "Ray Wise, que a gente adora porque é Ray Wise ou o pai da Laura Palmer ou o padre de Psych" … e "Que é advogado de um moço – também conhecido como o pai da Ziva em NCIS"

    não teve como não ligar esses moços aos outros personagens … e o Adam toda vez que entra em cena penso que ele vai se atirar na frente e dizer "Minha Khaleesi" …. hehehehehe

    Responder

Deixe uma resposta