Criminal Minds: The Lesson (8×10)

Minha mente apenas repete: o Reid não pode sofrer, o Reid não pode sofrer, o Reid não pode sofrer. E, sim, foi um excelente episódio de Criminal Minds, com um daqueles assassinos arrepiantes, se não o mais arrepiante desta temporada, mas o bem estar físico e sentimental do Reid vem em primeiro lugar pra mim.

Criminal Minds: The Lesson (8x10)

Eu confesso que demorei um tanto a identificar que a pessoa que saía do coma no hospital era nosso assassino – todo mundo achando que o enfermeiro ia ser o monstro assassino, não é não? -, primeiro porque a primeira cena estava super escura, depois porque eu não conseguia entender que aquele senhor de idade acordou chamando por seu pai porque havia ficado em coma por tempo demais.

Além disso, tudo relacionado aos crimes era impressionante demais: a forma como ele “quebrava” as pessoas a fim de poder controlar seus movimentos, a busca pelo homem que se encaixasse no boneco que vivia em sua lembrança, aquele anão que personificava o verdadeiro assassino de seu pai, aquela platéia para quem as vítimas pediam ajuda e que na verdade era formada somente por bonecos. Nossa, nível máximo de esquisitice – bizarro define – ao longo de todo caminho e ainda bem que existe Garcia para nos salvar.

Em paralelo a gente acreditando, e torcendo para que tudo desse certo, que Reid finalmente conheceria a garota de seus sonhos. Achei legal terem abordado esse lado pouco explorado do personagem, sua inadequação quase sempre é explorada pelo lado da inteligência e servindo como alívio cômico, aqui ele era um adolescente a caminho do primeiro encontro e eu quase chorei quando ele falou de sua gravata ou de seu cabelo.

Thomas Merton escreveu: “Amor é nosso verdadeiro destino. Não achamos o significado da vida sozinhos. Nós achamos com o outro.”

Criminal Minds: The Lesson (8x10)

Blake acabou ganhando importância porque era a única que sabia da verdade e soube falar o que ele precisava para ter um tando mais de confiança, mas eu preferiria que esse tivesse sido o papel de Garcia ou JJ.

P.S. Não tenho como definir a cena em que o assassino prende a garota naquela máquina para “desmontar” seus ossos. Tenso!

P.S. do P.S. Vou ser obrigada a acrescentar este livro do Conan Doyle na lista de livros para ler…

Escrito por Simone Miletic

Formada em contabilidade, sempre teve paixão pela palavra escrita, como leitora e escritora. Acabou virando blogueira.

Escreve sobre suas paixões, ainda que algumas venham e vão ao sabor do tempo. As que sempre ficam: cinema, literatura, séries e animais.

19 Comentários


  1. esse unsub tem a cara do Tonico Pereira …
    acho que só eu mesma que sou lerda e não consegui entender o porque aquele anão personificou o assassino do pai …. muito bizarro deste a primeira cena que ele apareceu, já sabia que ele não era o que aparentava …. acho que estou vendo muito CM

    o lindinho do Matthew Gray Gubler fez aniversário ontem <3

    Responder

    1. Tonico Pereira é o uó, kkkkk
      Eu tbm não entendi a do anão… Te faço companhia na lerdeza.
      Eu vi, ele é um fofo mais fofo que o personagem, né? Adoro as atualizações dele no facebook…

      Responder

  2. Si, eu não consigo parar de pensar que a pretendente a namorada pode ser fruto da imaginação do Reed e primeiro sintoma de esquizofrenia hereditária… Linda a cena, mas me deu uma sensação triste!

    Responder

    1. Ai, Beth, não, não, não!! Risos

      Mas, agora sério, acho que não é isso não. Na hora em que li eu pensei muito em Perception, mas acho que em CM a pegada é diferente, se fosse só ilusão eles não teriam mostrado a garota, sabe? Ia ficar no campo da ilusão dele… Mas isso sou eu palpitando e agora aflita pra saber qual é a verdade!

      Responder

  3. Eu só repetia…..Reid não faça isso, não tenha medo vc é perfeito…..mesmo com a gravata torta, cabelo todo estranho…..poxa Reid…….vc é do FBI não precisa ter medo 🙁

    Sobre o caso……foi bem sinistro……o ombro da menina virando foi algo sinistro demais.

    Responder

  4. Episódio tenso! Mas CM sempre é bom! Quando à paquera do Reid, não vou dar spoilers, hehehe!

    Responder

  5. Quem dirigiu o episódio foi Mathew Gray Gubler. Alguém notou? Eu também torço para que a “namorada” não seja fruto da imaginação dele. O resto eu não advinhei, mas que o homem que acordou do coma era o “unsub” da vez, eu acertei.

    Responder

    1. Tô contigo, se tem alguém ali que merece uma relação verdadeira é nosso menino. Eu sabia que ele ia dirigir, mas confesso que nem me apeguei a isso.

      Responder

  6. Simone, você que estava com pena do Reid, por favor, comente o episódio 12 zugzwang!
    Aguardo sua review!!

    Responder

  7. SPOILER- Simone, ao final do episódio que termina de forma abrupta, fiquei tão perplexa (sou advogada criminal e entendo um pouquinho de balística além do mais, eles não foram sutis),nos segundos finais antes da última cena… não podia acreditar no desfecho!! (espero que você já tenha visto) precisa muito comentar e repercutir o episódio!!
    Simone, só te peço uma coisa: não nos faça chorar!! (com este episódio qualquer comentário vai nos fazer chorar!! 🙂

    Responder

Deixe uma resposta