Blue Bloods: Age Of Innocence (01×16)

A melhor parte do episódio, que foi bom sim, não tô reclamando, foi o comecinho, quando Danny e Jackie estão conversando com a senhora mais sem noção já vista, a ponto de não entender as diversas tiradas que os dois fazem com ela. Medo: pessoas assim realmente existem, não é mesmo?

E não foi à toa: eu sou uma fã da família Reagan e suas histórias, tanto que acabo pouca falando dos casos que Danny investiga, mas neste caso a coisa realmente foi boa. A descoberta do rapaz super inteligente, mas frustrado por acabar ganhando dinheiro como babá de marmanjo, foi surpresa para mim, que até ali acreditava que o pai do riquinho é que tinha culpa no cartório.

Nicky e o primeiro contato com um crime: sim, a gente já sabia o que ia acontecer pelo comercial, e eu tenho uma tendência a achar Nicky meio bobinha. Mas achei legal abordarem isso, já que nessa família os crimes são assuntos na mesa de jantar. E até entendo a Erin, mesmo sabendo que não foi culpa do Danny: mãe é mãe.

Momentos leves: certeza que algo rola entre Frankie a a nova assessora de imprensa. Química boa ali, senhores. E a tal pichação? Acho o personagem de Jimmie fraco, mas ele e Renzulli formam uma ótima dupla. É bom vê-los sorrindo.

Escrito por Simone Miletic

Formada em contabilidade, sempre teve paixão pela palavra escrita, como leitora e escritora. Acabou virando blogueira.

Escreve sobre suas paixões, ainda que algumas venham e vão ao sabor do tempo. As que sempre ficam: cinema, literatura, séries e animais.

1 comentário


  1. Não gostei do episódio e, ao contrário de ti, vi um monte de falhas na família Reagan, por exemplo, levam à mesa assuntos de trabalho e quando as crianças querem entender, dizem que não é assunto para elas. Até concordo, mas pq então levam esses assuntos na frente de todos? Acho que falta um pouco de pedagogia infantil para lidar com os pequenos. Outra, esses meninos não tem dever de casa, outras atividades? Pq tá todo mundo sempre disponível para esses jantares/almoços durante a semana?
    Tb não gostei da forma como Frank lidou com a neta… parece que todos da família tem que ser policiais, parece uma sina… muito chato isso, pra não dizer ditador. A coisa é tão absorvida por todos que não há questionamentos… Deve ser muito difícil participar daquele clã e tentar superar as espectativas.
    Êpa, êpa, êpa… pode parar, nada de “química” entre assessora e Frank. Disse e repito, se ele não ficar comigo, só o libero para a secretária/assessora/segurança, maria do pitó. kkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
    Achei o assunto da pichação uma tremenda bobagem. Coisa de encher lingüiça. Realmente Jimmie é fraco, tem o olhar chorão, não mete medo em bandido! E na boa, não tem nada na polícia para ele fazer com o conhecimento que ele tem do que trabalhar nas ruas?

    Sobre o crime, suspeitei do professor e do pai, o jovem estava muito na cara. De tanto ver essas séries, principalmente Law & Order, já sou quase que uma detetive. rs

    Responder

Deixe uma resposta