The Good Wife: Breaking Up (02×10)

Owen e Jackie. No exato momento em que vi os dois na telinha eu tive a certeza de que aquela seria a melhor cena do episódio. Não me enganei: primeiro num diálogo com muita ironia e sarcasmo dos dois lados, depois com a abordagem do medo de Jackie que sua neta seja homossexual, a dupla deu um show. E Jackie abrindo a porta meio bêbada e usando a tal peruca de guerra, bem, foi apenas aquele toque final para um ato bastante importante.

E gosto da presença de Owen não só porque ele coloca em xeque valores que são importantes para Jackie e para Peter – claramente, até por sua orientação religiosa, os dois tem bastante dificuldade em lidar com o homossexualismo do irmão de Alicia – mas também porque com ele Alicia consegue se soltar mais, algo que às vezes ela insinua em sua relação com Kalinda. É com seu irmão que ela consegue baixar um pouco a guarda.

Nesses momentos eu até que me identifico bastante com a personagem, que se dedicou por anos ao casamento e agora quase se deixa ser engolida pelo trabalho, que pouco tempo lhe resta para dedicar a amizades – ainda mais quando lembramos como foi fácil aquelas que se diziam amigas dela abandoná-la após o escândalo de Peter.

É também quando eu considero que o roteiro faz juz ao nome do seriado, colocando-a em evidência.

Coisa que também acontece quando ela é colocada para resolver um caso simples – que acaba por se tornar uma acusação de assassinato – e, quando ele complica, ela faz o que é necessário, não sem antes demonstrar sua contrariedade. É claro, sabemos que os roteiristas só deixaram Will tão mesquinho neste episódio para que tivéssemos a sensação de que ela pode aceitar o convite de Diane. Diane que, nos últimos episódios, tem feito esse papel de mais correta e mais justa, mesmo que não seja totalmente correta ou justa.

Particularmente eu não quero que Diane deixe o escritório, ainda mais porque considero seus conflitos com Will uma das melhores coisas do programa, então fico sempre a espera do segredo atrás da porta que nos será apresentado, fazendo com que todos se mantenham aonde estão.

E Cary? Continuo achando delicioso não entender ao certo o quanto ele é bondoso ou o quanto ele é eficiente. No momento em que ele explica para a mãe de Alexis que existia um acordo na mesa e que os advogados não contaram isso a ela, eu não sei o quanto ele fez isso por saber qual caminha Will e Diane optariam e achou injusto com a garota, ou o quanto ele fez isso para ter a vantagem do acordo de volta.

Finalmente, mas impossível de não ser citado: como a atriz Leelee Sobieski é a cara de Helen Hunt, não é mesmo?

Escrito por Simone Miletic

Formada em contabilidade, sempre teve paixão pela palavra escrita, como leitora e escritora. Acabou virando blogueira.

Escreve sobre suas paixões, ainda que algumas venham e vão ao sabor do tempo. As que sempre ficam: cinema, literatura, séries e animais.

5 Comentários


  1. Eu achei que foi um verdadeiro fiasco as intervenções do procurador e advogados no caso do casal.
    Eu acho que Peter gosta do cunhado, mas realmente ele atrapalha qualquer campanha política. Sinto falta de Peter, ele quase não aparece mais.
    Leelee Sobieski é sempre soberba, só queria que ela mudasse o cabelo. Tá sempre com o mesmo visual, tipo Malu Mader. A diferenã é que Leelee TEM TALENTO.
    A atuação da protagonista foi tão interessante quando um abajur no cenário. Se queriam alguém do ER, deveram ter optado por aquela loira de cabelos cacheados, a esposa do médico que morreu na ilha com um tumor. Ela é linda e talentosa.

    Responder

  2. Simone
    saudades de vir aqui e ler os seus comentários maravilhosos e de poder dizer um pouquinho tb
    \o/

    sua analise deste episódio focou em tudo de mais correto como essa cena entre o Owen e a Jackie, formidável
    e realmente a Alicia fica muito mais solta e feliz com a presença do irmão e me atrevo até a dizer que ela fica mais forte nas decisões que precisa tomar quando ele está por perto

    só achei muito precipitado da Jackie tirar essa posição sexual da neta assim tão depressa

    a Diane na minha opinião tb está se precipitando em dissolver a sociedade com o Will, só por achar que ele e o Bond estão juntos em alguma coisa não diz muito para querer sair de fininho
    estou torcendo que ela e Will se entendam pois a parceria deles rendeu belas cenas
    e Cary …. ele está cada episódio mais afiado e meus olhos vibraram quando o advogado para garota apareceu (já disse que adoro o Frederick Weller, ele é o meu adoravel Marshall em In Plain Sight)

    agora que vc falou … a Leelee está realmente parecida com a Helen =D

    Responder

    1. Oie Cleide!! Andou sumida mesmo, onde estava você?

      Acho que Jackie teve essa reação justamente porque isso para ela é um grande problema, se estou lembrada direito da cena não tinha grandes coisas com o que se preocupar.
      Lembrei de você quando o moço entrou pela delegacia, risos, mas dessa vez eu gostei muito mais dele 😛
      Beijo

      Responder

  3. Adoro Owen e Jackie! A cena dela com a peruca (é uma peruca???) é impagável. Adoro Cary cada vez mais! E adoro Leelee! Ela é o tipo de atriz que quase nunca é protagonista, mas sempre dá um jeito de ser absolutamente marcante. A participação dela na série, pra mim, equivale à de Michael J. Fox, que (spoiler!) voltará brilhante!

    Responder

Deixe uma resposta