Grey’s Anatomy: Something’s Gotta Give (07×08)

Adorei como a narração e o nome deste episódio conseguiram ligar completamente todas as histórias contadas. Foram 40 minutos que pareceram muito mais, porque é tanta coisa acontecendo, tanto sentimento envolvido.

A partir de agora a cena da apresentação de caso por Teddy passa a ser um de meus momentos preferidos em Grey’s Anatomy: a reação de Sloan é demais parecida com a que muitos fãs tiveram quando Cristina conta que se demitiu, um misto de supresa, desgosto e impossibilidade.

Cristina fora do hospital é algo absurdo, mas, se pensarmos bem, toda essa sua fase soa absurda. Por outro lado, quando eu a vejo sentada naquele shopping, admirando as pessoas que estão lá naquela hora do dia, andando devagar e sem um maior projeto na vida do que comer um pretzel eu entendo o que ela sente. Cristina foi desenhada para ser alguém de sucesso, que não para, que acerta em tudo que faz, que tem de ser um exemplo a ser seguido. E pessoas assim não passeiam em shoppings em horários de trabalho.

Talvez por conta de tanta exigência própria e de terceiros quanto a seu sucesso, Cristina precise de mais tempo para processar o que sente, entender o que realmente quer – até porque ela sempre teve tanta certeza do que queria que nunca questionou a existência de uma segunda opção – e Derek foi o único que enxergou isso, talvez porque ele mesmo sempre foi assim: “perfeito”.

Em paralelo a tanto sentimento ou emoção contidos, vemos Karev, April e Avery a flor da pele, cada um descarregando sua raiva ou medo de uma forma, todas elas um pouco destrutivas. Karev e April nada tem a ver um com o outro e espero que isso seja logo superado – ainda mais se resolveram voltar com o Karev babaca machista para justificar porque os dois não deram certo – enquanto Avery merece uma história melhor, o que pode vir da ideia de Bailey e seu estudo sobre a pancreatite.

E eu, que comemorei tanto quando vi que Peter MacNicol estaria no episódio como o novo pediatra, fiquei depois chateada de ver que seu personagem é um saco. Resta torcer para que ele se revele alguém realmente relevante no futuro de Karev, já que ele e pediatria foram feitos um para o outro.

Finalmente, o papo de Cristina e Derek no topo do prédio, falando de pisos e azulejos, foi daqueles momentos memoráveis que nos permitem ver uma grande amizade, porque tem horas em que, simplesmente, a gente não quer que nossos amigos nos consolem ou apresentem soluções, ou joguem na nossa cara os nossos erros.

Escrito por Simone Miletic

Formada em contabilidade, sempre teve paixão pela palavra escrita, como leitora e escritora. Acabou virando blogueira.

Escreve sobre suas paixões, ainda que algumas venham e vão ao sabor do tempo. As que sempre ficam: cinema, literatura, séries e animais.

1 comentário


  1. Outro ótimo episódio, como vem sendo costume nessa ótima temporada… mas devo ser das poucas pessoas que acha que Grey’s Anatomy passaria muito melhor sem as narrações em Off…

    Responder

Deixe uma resposta