Será que teremos Cupid de volta?

Cupid

Costumo acreditar no amigo Inagaki, do Pensar Enlouquece, quando ele fala algo existem enormes chances de ser verdade. Espero que seja verdade que dia 25 eu vou ganhar o livro Coração de Pedra que ele tá sorteando. Mas o post é por outro motivo, até melhor: segundo as fontes dele, está em negociação, ou já foi assinado contrato, para uma nova versão do seriado Cupid, produzido em 1998 e estrelado pelo sensacional Jeremy Piven.

O seriado é mais um daqueles casos de morte súbita e inexplicável. Mas o próprio criador parece ter assinado o contrato para a nova versão, como você pode ler abaixo. Importante mesmo é o comentário de Inagaki: como imaginar alguém no papel que um dia foi de Jeremy? Eu não posso, você pode?

Segue post na íntegra, mas depois de ler dá uma passada no site dele também, é muito bom, porque lá está um dos vídeos do YouTube do seriado, com um monólogo realmente imperdível.

Cupid, o seriado que revelou Rob Thomas e Jeremy Piven
Foi num sábado à tarde, em idos de 2004, que eu, que estava de bobeira zapeando os canais de TV, encontrei por acaso um seriado de TV do qual nunca havia ouvido falar: Cupid. Foi um típico caso de empatia à primeira vista. Uma hora depois, já estava caçando tudo que eu poderia descobrir sobre a série na internet. Pudera: Cupid faz parte daquela estirpe de seriados que você precisa gravar, a fim de rever cada episódio e anotar os diálogos mais bacanas.

Basicamente, a história é a seguinte: Trevor Hale (anagrama de “Lover Heart”), interpretado por Jeremy Piven, é um homem que afirma ser Cupido, o Deus do Amor. Expulso do Monte Olimpo, só poderá retornar para lá e recuperar seus poderes se for capaz de reunir cem casais na Terra. Considerado lunático, inicia tratamento com Claire (Paula Marshall), psiquiatra e autora de artigos sobre relacionamentos amorosos, que tenta convencê-lo a abandonar sua suposta ilusão. Com base nessa premissa, o criador da série, Rob Thomas, desenvolveu tramas repletas de tiradas sarcásticas (do tipo “café sem cafeína é como sexo sem os tapas na bunda”), mas que ao mesmo questionam os problemas de se encontrar um relacionamento duradouro no mundo contemporâneo.

Cupid teve apenas 15 episódios produzidos em 1998. Que, no entanto, foram suficientes para arregimentar um fiel séquito de fãs no mundo inteiro (vide os comentários deixados no IMDB, todos unânimes em lamentar o fim precoce da série). O melhor exemplo do fanatismo que muitos, inclusive eu, nutrem por um seriado que mal durou uma temporada, é usuário ZiggyBecket. Esse teve a pachorra de disponibilizar todos os episódios de Cupid em sua conta no YouTube. Um trabalho sensacional, inclusive porque a produtora do seriado, a Sony/Columbia, até hoje não se dignou a lançar em DVD seus episódios. E assim, graças a ZiggyBecket, qualquer internauta pode assistir na internet a um dos meus monólogos prediletos de Trevor Hale, no qual ele divaga a respeito de amores, filmes e vida real. Confiram, pois, o vídeo abaixo, que exibe também a bela abertura do seriado, cuja música-tema é interpretada pelos Pretenders.

Eis a tradução para o português do monólogo inicial:

“Pessoas questionam se filmes refletem a vida real. Por diabos que não! Ok, ambos tornam o mais difícil possível a um casal se conhecer e se apaixonar. Pense nisto: todas as barreiras capazes de atravancar um romance são exibidas em um filme – é isso que segura nosso interesse durante as duas horas de sessão. Mas, na vida real, o amor basta para nos prender a atenção”.

Cenas do episódio First Loves, um de meus prediletos de Cupid.”Enquanto o filme acaba quando os dois finalmente se abraçam, é exatamente nesse ponto que a vida começa. Todos procuram por essa mágica. Todos querem esse momento, no terceiro ato, quando os olhos se encontram, a música sobe e os amantes caem um nos braços do outro. Hoje em dia, no entanto, ninguém mais conversa, ninguém mais alcança essa conexão. Vida é um filme muito mais longo, mas todos acabam empacando no segundo ato. É isso o que eu quero descobrir: porque nós não podemos simplesmente cortar para o clímax e ir direto para a parte pela qual todo mundo espera – a cena em que o rapaz conquista a garota”.

De fato, tudo na vida é uma questão de timing. Apesar do respaldo da crítica televisiva, unânime em reconhecer sua qualidade, Cupid foi cancelada, deixando uma pequena e fiel legião de fãs desconsolada. Rob Thomas faria sucesso anos depois com o seriado Veronica Mars, enquanto Jeremy Piven, que além de protagonista foi produtor de um episódio, se consagraria como Ari Gold, o agente de atores da série Entourage, papel que já lhe rendeu dois Emmys e um Globo de Ouro.

Mas e não é que Cupid, à semelhança de certos casais, poderá ganhar uma segunda chance? Segundo a Variety, Rob Thomas e o canal ABC assinaram um contrato para que seja realizada uma nova versão da série. As locações mudarão de Chicago para Los Angeles, e até aí tudo bem. O problema será imaginar um outro ator que não seja Jeremy Piven no papel de Trevor Hale. Mas enfim, c’est la vie. Nada é perfeito, e as coisas saem de acordo com as circunstâncias. Como bem disse John Lennon, “vida é o que acontece enquanto fazemos planos”. E, só de saber que Cupid terá uma segunda chance, creio que posso me dar por satisfeito.

Escrito por Simone Miletic

Formada em contabilidade, sempre teve paixão pela palavra escrita, como leitora e escritora. Acabou virando blogueira.

Escreve sobre suas paixões, ainda que algumas venham e vão ao sabor do tempo. As que sempre ficam: cinema, literatura, séries e animais.

5 Comentários


  1. Oi Simone, tudo bem?
    Não sei se você já sabe, mas tá rolando uma corrente entre os blogs, conhecida como MEME, que consiste basicamente em você, quando recebe a indicação de um blog, deve indicar mais três blogs e dar continuidade a corrente. Com isso criamos uma união entre os blogs e ajudamos a divulgar os blogs de amigos blogueiros que gostamos de visitar.

    Pois bem, o meu blog foi indicado e agora estou indicando três blogs, um deles é o seu! Agora espero que você faça o mesmo e indique aqui três blogs que você gosta e avise a eles como continuar com essa corrente, ok? Parabéns pelo seu trabalho e cada vez mais sucesso! Abraço.

    Responder

  2. Bah… nao conhecia essa série. Vi esses tempos vi uma nota em algum lugar que nao lembro onde falando que o Rob Thomas tinha feito uma reuniao sobre a possibilidade de volta do seriado.
    Como nao conhecia, nem dei bola.
    Mas hoje fui olhar o post do Pensar Enlouquece e dei uma olhada no video do You Tube.

    Foram necessários 3 minutos pra me interessar, em seguida começou a abertura… *Adoro Pretenders* ai ja viu…. lá vou eu botar meu amigo cometinha pra trabalhar… rsss

    Agora… vamos combinar:
    ROB THOMAS É O CARA!!!!

    Responder

  3. Simone, só posso te falar que tenho mais de 100 respostas para ler durante o feriado do dia 25, a fim de poder selecionar quais serão os 2 vencedores da promoção do livro. Será uma tarefa complicada… 😛

    Responder

  4. Eu quero!!!

    eu tenho que fazer esse bendito curso de inglês, cá estou eu, sem poder assistir os episódios no Youtube porque não entendo patavinas de nada.
    Bom, a série passava na sony, será q se pressionarmos, eles não acabam passando?
    bjux!

    Responder

Deixe uma resposta