2013 em livros

2013 foi um ano muito grato no quesito leitura: com exceção de uma derrapada no meio do caminho com o muito bem recomendado Cuco, todos os livros que escolhi deixaram doces lembranças. Infelizmente não atingi a meta de 40 livros no ano, mas consegui marcar 30, então também não foi tão ruim, não é mesmo? Falei sobre alguns aqui, outros moram em rascunhos nunca publicados, na verdade nunca terminados.

Para começar 2014 zerada – e considerando que vou encarar o Desafio Literário do Tigre – nada como um resumo para colocar as coisas em dia, não é mesmo?

o lado bom da vidaO Lado Bom da Vida foi o último livro do ano e isso totalmente por acaso: eu tinha pontos Multiplus vencendo e resolvi trocar todos por ebooks na Cultura que estivessem por menos de R$ 10,00. Já haviam me recomendado muito o filme, então resolvi arriscar o livro. Que me lembrou, MUITO, As vantagens de ser invisível, ainda que não com a exata leveza.

Para quem não conhece, essa é a sinopse: Pat Peoples, um ex-professor de história na casa dos 30 anos, acaba de sair de uma instituição psiquiátrica. Convencido de que passou apenas alguns meses naquele lugar ruim, Pat não se lembra do que o fez ir para lá. O que sabe é que Nikki, sua esposa, quis que ficassem um “tempo separados”.Tentando recompor o quebra-cabeças de sua memória, agora repleta de lapsos, ele ainda precisa enfrentar uma realidade que não parece muito promissora. Com seu pai se recusando a falar com ele, sua esposa negando-se a aceitar revê-lo e seus amigos evitando comentar o que aconteceu antes de sua internação, Pat, agora um viciado em exercícios físicos, está determinado a reorganizar as coisas e reconquistar sua mulher, porque acredita em finais felizes e no lado bom da vida.À medida que seu passado aos poucos ressurge em sua memória, Pat começa a entender que “é melhor ser gentil que ter razão” e faz dessa convicção sua meta. Tendo a seu lado o excêntrico (mas competente) psiquiatra Dr. Patel e Tiffany, a irmã viúva de seu melhor amigo, Pat descobrirá que nem todos os finais são felizes, mas que sempre vale a pena tentar mais uma vez.Um livro comovente sobre um homem que acredita na felicidade, no amor e na esperança.

Li o livro em apenas um dia, em parte porque ele é leve e fácil, em parte porque você quer saber em qual momento Pat vai entender que, além de ser melhor ser gentil do que ter razão, às vezes é preciso deixar o passado para trás, mesmo ele tendo sido muito especial. Além disso, virei fã do Dr. Patel.

o chamado do cucoAlgo me diz que O Chamado do Cuco foi o campeão dos Amigos Secretos de final de ano, ganhando até mesmo das legítimas Havaianas. E, sim, eu fui uma das que o escolheu como presente. E o livro não decepciona: não, não é um novo Harry Potter, mas fica fácil imaginar uma série de livros centrada em nosso detetive Cormoran Strike, que aqui investiga a possibilidade do suicídio de uma famosa modelo ter sido, em verdade, um assassinato.

Eu fui conquistada logo de saída por Strike e por Robin, sua assistente – que bem merece mais tempo de história se um segundo livro realmente for escrito -, mas a história demorou mais um pouco para me agarrar, deixando uma certa sensação de “arrastamento” até quase a metade do livro. Do outro lado, ele tem um final TÃO BOM e tão surpreendente que isso foi superado com honras.

A sinopse: Um mistério elegante e emocionante impregnado da atmosfera de Londres – das ruas silenciosas de Mayfair aos pubs entocados do East End e à agitação do Soho – ‘O Chamado do Cuco’ é um livro do autor Robert Galbraith (pseudônimo de J. K. Rowling). Apresentando Cormoran Strike, este é um romance policial clássico na tradição de P.D. James e Ruth Rendell, e marca o início de uma singular série de mistério.

Ah, foi impossível não pensar que, depois de explorar um mundo todo mágico e uma pequena cidade, JK Rowling foi muito feliz em nos apresentar uma Londres fria e cheia de segredos.

o livro do amanhã

Eu não li P.S. Eu te amo e não conhecia o trabalho de Cecelia Ahern, só que ganhei O Livro do Amanhã em um sorteio do Bookeando – aquele blog que faz a minha lista de livros a ler aumentar geometricamente por conta das ótimas resenhas – e estava precisando de algo leve depois de terminar O Dragão Vermelho, então arrisquei. Uma aposta de resultado feliz, eu garanto.

Assim como O Chamado do Cuco, O Livro do Amanhã começa um tanto arrastado – seria um problema da escrita européia? – e nem sempre você consegue gostar da protagonista, uma menina BEM mimada chamada Tamara. Mas você continua, afinal as paisagens são lindas e tem uma tal freira simpática que anda em um grupo num carro amarelo e apertado de buzina engraçada.

Além disso, tan-tan-tan, você sabe que existe algum segredo. Tamara não sabe qual é, a gente não sabe qual é, mas existe esse livro que conta sobre o amanhã e nos dá uma vontade enorme de mexer com o presente para mudar o futuro e saber da onde ele veio. Sim, disfarçado de livro juvenil existe um livro de mistério e, ahhh, é uma delícia descobri-lo.

Sinopse: Tamara Goodwin sempre teve tudo o que quis e nunca precisou pensar no amanhã. Contudo, de repente, seu mundo vira de cabeça para baixo e ela precisa trocar sua confortávelvida da metrópole por uma cidadezinha do interior. Assim, Tamara logo se sente solitária e louca para voltar para casa. Então, uma biblioteca itinerante chega ao vilarejo, trazendo junto um misterioso livro de couro trancado com uma fivela dourada e um cadeado. O que Tamara descobre ao longo de suas páginas a deixa surpresa. E tudo começa a mudar das maneiras mais inesperadas possíveis… Será possível mudar o amanhã?

Dragao Vermelho - BestBolso 2012No mundo das séries, Hannibal foi minha grande surpresa em 2013. Eu nem ia assistir a versão televisiva, afinal quem tem Anthony Hopkins não precisa de mais nada. Só que dei uma chance e estava absolutamente vidrada já no final do piloto. A série teve uma das mais consistentes temporadas no ano, apenas com episódios muito bons, e nos trouxe Mads Mikkelsen no papel principal. Perfeito no papel. Fácil, fácil imaginá-lo envelhecendo no corpo de Hopkins.

Bom, mas estamos aqui para falar de livros e a questão é que fiquei curiosa para ler O Dragão Vermelho. Dei sorte e encontrei um box com os três livros de Thomas Harris no formato de bolso por menos de quarenta reais. Arrematei e corri começar pelo começo.

Sinopse: Quando trabalhava como agente do FBI, Will Graham conseguiu reunir provas suficientes para condenar o canibal Hannibal Lecter. Depois do episódio, decidiu mudar-se para a Flórida com sua família, mas seus dias de tranquilidade são interrompidos quando um antigo chefe lhe pede para investigar uma série de assassinatos misteriosos. Graham começa a seguir as pistas do cruel criminoso conhecido como Fada do Dente. Logo percebe que para capturá-lo será preciso compreender sua mente doentia. Para isso, entretanto, Graham terá de enfrentar seus fantasmas e pedir ajuda ao Dr. Lecter, o que pode ter consequências desastrosas.

Sim, a história é seguinte a trama de O Silêncio dos Inocentes, mas foi o primeiro livro escrito pelo autor com Hannibal entre os personagens, mesmo que aqui ele apareça bem pouco. O destaque então fica para Will Graham, que por conta da série tem o rosto de Hugh Dancy enquanto você lê, e para Fada do Dente, um dos mais arrepiantes assassinos em série que eu conheci.

O livro, mesmo pequeno, não tem nada de leve e Harris é bastante descritivo não somente nos horrores ocasionados pelo assassino, mas nos sentimentos que este e o atormentado Graham carregam dentro de si. Um livro denso, pesado mesmo, tanto que eu não consegui emendar os demais logo em seguida, dando uma pausa para clarear a mente mesmo tendo gostado demais da leitura – e olha que essa sou eu, a moça que consome seriados e filmes sobre psicopatas em doses cavalares.

infernoInferno foi outra aposta, afinal Dan Brown havia me decepcionado bem com O Símbolo Perdido. E outra aposta com final feliz: o livro é excelente!! Sim, ele é daqueles que você devora sem perceber, que te faz perder a noite de sono apenas para terminar logo e depois te deixa em luto porque não tem mais. Langdon está em sua melhor forma, ainda que sofrendo de amnésia e sem seu relógio tão querido, e Sienna é uma das melhores companheiras que Dan Brown poderia ter lhe arrumado.

Além do que, vamos combinar: Itália e Dante Alighieri, como errar? Fico até na dúvida se não gostei mais deste do que de Anjos e Demônios, viu?

Sinopse: No coração da Itália, Robert Langdon, o professor de Simbologia de Harvard, é arrastado para um mundo angustiante centrado em uma das obras literárias mais duradouras e misteriosas da história – O Inferno, de Dante Alighieri. Numa corrida contra o tempo, Langdon luta contra um adversário assustador e enfrenta um enigma engenhoso que o arrasta para uma clássica paisagem de arte, passagens secretas e ciência futurística. Tendo como pano de fundo o sombrio poema de Dante, Langdon mergulha numa caçada frenética para encontrar respostas e decidir em quem confiar, antes que o mundo que conhecemos seja destruído.

 

Sou suspeita para falar dos livros de Jodi Picoult: os devoro rapidamente, choro loucamente e me apego a cada um de seus personagens. Com um histórico como esse era evidente que com Dezenove Minutos não seria diferente.

dezenove minutosSinopse: Sterling é uma cidadezinha comum do interior, onde nada acontece – até o dia em que a quietude é abalada por um terrível ato de violência. Peter, um adolescente socialmente isolado que há anos sofre bullying, um dia leva uma arma para a escola e abre fogo contra os colegas, matando dez pessoas. Narrações do passado revelam como as constantes provocações dos outros alunos levaram Peter a se isolar, buscando refúgio em jogos violentos de computador. Josie, filha da juíza responsável pelo caso e que já foi a melhor amiga de Peter, deveria ser a testemunha mais valiosa de acusação, mas não consegue se lembrar do que aconteceu bem diante de seus olhos – ou será que consegue? Conforme o julgamento avança, rupturas entre os adolescentes da escola e a comunidade adulta começam a se revelar, destruindo famílias e as amizades mais íntimas.

Sim, Picoult sempre escolhe temas difíceis para abordar e acho que isso serve para ressaltar seu talento em nos levar por histórias muito tristes com alguma leveza. Ela nos envolve de tal maneira que seus personagens se tornam amigos próximos e torcemos loucamente por alguma redenção, qualquer uma, ao final. Em Dezenove Minutos ela tem a triste tarefa de nos fazer entender porque Peter fez o que fez, porque nós fechamos os olhos quando vemos situações tão parecidas, esquecendo que o resultado por ser tão trágico como o que aconteceu no livro.

E nos lembrar que, em outras vezes, a imagem da vida perfeita, da felicidade aparente, é ainda mais perigosa. Dividindo a história focando a cada capítulo um dos personagens, formato utilizado por ela em todos os seus livros, ela nos garante diferentes visões de uma mesma história e nos segura na cadeira até o final surpreendente. Recomendo, muito, a leitura.

P.S. Como eu disse, Cuco foi a decepção do ano. Eu não consigo elogiar nada, absolutamente nada nele. A trama se arrasta, mas eu insisti porque falaram tão bem. A protagonista é horrível, mas quem sabe ela nos revela algo ao final. A rival é  vazia, mas, poxa, prometeram um suspense e tanto. E aí chega o final. Tão ruim quanto todo o resto.Mantenha-se a distância.

P.S. do P.S. Já estou lendo: Cidades de Papel, mais um da troca dos pontos Multiplus.

P.S. do P.S. do P.S. Na estante (ou no ebook) neste começo de ano: O Silêncio dos Inocentes, Hannibal, O Projeto Rosie, Barba Ensopada de Sangue, Como eu era antes de você, Minha Vida na França, Não há silêncio que não termine, Haruki Murakami, Peregrinos, Paris – A Festa Continua, Os Anos Loucos e Um passarinho me contou.

P.S. do P.S. do P.S. do P.S. Olha aí os temas do Desafio Literário do Tigre:

dl2014a_ig

 

 

Escrito por Simone Miletic

Formada em contabilidade, sempre teve paixão pela palavra escrita, como leitora e escritora. Acabou virando blogueira.

Escreve sobre suas paixões, ainda que algumas venham e vão ao sabor do tempo. As que sempre ficam: cinema, literatura, séries e animais.

9 Comentários


  1. Gostei muito das dicas,no momento só tenho lido os livros d Psicologia, mas de vem em quando preciso relaxar rsrsrsrs… Bjs!! Feliz 2014!!

    Responder

  2. Fiquei com vontade de ler os livros do Thomas Harris agora. Como se já não estivesse com a lista de leitura perigosamente gigante.
    Gostei do Desafio do Tigre. Pensando seriamente em participar. Senti falta de participar do Desafio Literário em 2013 (era uma coisa que me forçava a resenhar o que eu lia).

    Responder

    1. Mica, depois de comprar os livros achei o torrent deles no PirateBay, dá uma olhadinha lá, estão é ótima qualidade.

      Tô animada, vai ser a primeira vez que participo!!!

      Responder

  3. li Dragao vermelho logo depois q assisti silencio dos inocentes e confesso que adorei a estoria. Muito mais eletrizante que Silencio… qto ao Inferno esperava mais do final… mas Langdon e Langdon… e me fez querer ler a Divina Comedia!!! Sugiro, para 2014, que leia O Caso Rembrandt de Daniel Silva e Memorias Perdidas de Jane Austen… e passe bem longe do livro Someday someday maybe… que por aqui devera chamar Algum dia. Lauren Grahan não se desvinculou de Lori Gilmore sem o charme da serie… decepcionou bastante!!! Pelos seus comentarios os outros ja estao na lista que so aumenta… Si desculpa o texto longo mas me empolguei!!!!

    Responder

    1. Eu gostei do final, acho que não tinha muita escapatória pro Dan Brown ali, ele nunca foge muito da vida real ao final de seus livros.

      Ainda não li O Silêncio, tá na fila.

      Já anotei as duas sugestões, mas só compro livros depois que terminar os da estante, promessa de ano novo!

      E não pede desculpas não, a gente se empolga quando gosta do assunto, na vida real é assim também, não é mesmo? Ah, e que não demore nosso encontro!!!

      Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *