Porque Harry Potter 7 é o melhor filme até aqui

Eu chorei no exato momento em que Harry e seus amigos deixam a velha casa na Rua dos Alfeneiros. Parei um pouco para voltar a chorar em momentos diferentes, gosto de magia e despedida na boca, e fui ao êxtase com o momento escolhido para separar o livro em dois filmes.

Eu não lembro ao certo de por que comprei meu primeiro livro do pequeno bruxo, lembro que foi em uma livraria no canto do Shopping Higienópolis – nunca mais fui a este shopping, nem sei se ela ainda está lá – e que ele ainda não era sucesso. Já haviam publicado lá fora o terceiro livro, mas o segundo ainda chegava as prateleiras daqui. Acabei por comprar os demais sempre em inglês, edição original, porque não aguentava esperar.

Li a todos mais de uma vez – alguns tantas vezes que parece impossível – e assisti a cada filme com curiosidade e medo.

Nas últimas duas semanas reassisti a todos, dessa vez na companhia da minha filha que, agora do alto de seus 07 anos, começa a se encantar pela magia dos meninos que vivem nesse mundo tão diferente.

Ela quis ir comigo ao cinema e me agarrou forte quando uma cena mais forte envolvendo Hermione, Harry e Nagini acontece – depois disso assistiu quase que a todo resto do filme no meu colo. Saiu sem entender porque teremos que esperar mais 07 meses pelo oitavo filme e pedindo uma varinha mágica.

Saiu triste por Dobby, mas fascinada mesmo pela Hermione. Saiu achando Waldermort feio e bobo.

O sétimo filme é, sem sombra de dúvida, para os fãs dos livros, porque dispensa apresentações desnecessárias a estes e conta uma bela história. É um filme feito com o coração e algumas pessoas podem simplesmente não entender – vi crítico de cinema criticando o fato de que Dobby aparece como herói ou falando que Harry e Hermione quase fizeram sexo, afff – porque quando cada livro foi transposto para a tela um pouco da história teve de ser deixada de lado.

Para os fãs dos livros, que mentalmente preenchem cada espaço vazio com tamanha facilidade, Harry Potter 7 é um filme delicioso, mágico, encantador.

Sim, eu fiquei apaixonada e considerei este o melhor filme até aqui. Se, para além do meu sentimento de fã, você quiser ler alguém que conseguiu examinar de forma mais crítica seus pontos fortes, sugiro clicar aqui.

Escrito por Simone Miletic

Formada em contabilidade, sempre teve paixão pela palavra escrita, como leitora e escritora. Acabou virando blogueira.

Escreve sobre suas paixões, ainda que algumas venham e vão ao sabor do tempo. As que sempre ficam: cinema, literatura, séries e animais.

3 Comentários


  1. Choorei quando o dobby morreu ele disse palavras verdadeiras que nem aguentei chorei dentro do cinema todos viram

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *