Fringe: Os (03×16)

O verdadeiro desafio é como não se tornar repetitiva ao falar de Fringe quando todo episódio, sem exceção, é excelente, perfeito até?

Vejam só: como dois dos elementos mais pesados da Terra, ao serem unidos, fazem com que uma pessoa possa flutuar? Resposta: Walter mudou as leis da física e tudo, TUDO, pode acontecer. Me digam se isso seria possível em qualquer outro seriado?

E, aos prestarmos atenção, Fringe tem insistido muito na culpa de Walter e eu tenho medo de que nosso adorado cientista acabe pirando de vez… E nem vale falar para mim que isso não é possível porque, bem, ele já é louco mesmo, porque, no final das contas, sua busca por soluções que impeçam o final do mundo ou mesmo pela busca de um Willian Bell já morto, pode acabar por adiantar o já proclamado final do mundo.

Outro ponto repetido: o cientista muito inteligente que, ao tentar resolver um problema, acaba por desvalorizar a vida dos outros. Dessa vez, ao contrário do cientista que buscava a tal vacina no mundo alternativo, o cientista buscava uma cura para seu filho que sofria de distrofia muscular. Particularmente eu achei muito triste o final do episódio, em que o pai revela ao filho o que fazia e esse mostra que sua realidade era totalmente diferente do que o pai achava e de que, até ali, ele era verdadeiramente feliz.

O fim do mundo: a indisfarçável alegria de Nina ao ver Peter e Olivia juntos me deu a sensação de cúmplice da história, afinal, só ela e nós sabemos o que foi previsto pelo moço do boliche. Eu gostei dessa sensação de saber algo que ninguém mais sabe. O problema é que, agora que Olivia sabe que Peter perseguiu os metamorfos e os matou para conseguir os discos de memória, ela possa voltar a ter medo dele, afastando-o para os braços da FalsOlivia.

Só não consegui achar o Observador, mas também só assisti uma vez ao episódio.

Escrito por Simone Miletic

Formada em contabilidade, sempre teve paixão pela palavra escrita, como leitora e escritora. Acabou virando blogueira.

Escreve sobre suas paixões, ainda que algumas venham e vão ao sabor do tempo. As que sempre ficam: cinema, literatura, séries e animais.

6 Comentários


  1. Sempre digo que Fringe é tudo de bom!!! E o final desse episódio deixa a gente de boca aberta, para variar! Acho uma fofura o Peter com a Olivia. E o Walter, bem, o Walter rules, né?:-)

    Responder

  2. o Walter já é maluco mesmo heheheheh
    o seriado não seria o mesmo sem ele e o John Nobles é maginífico em criar um personagem tão cativante

    o final realmente me deixou também de boca aberta O.O
    isso realmente vai dar muito o que falar

    hahahahah a Simone não viu o observador …. imagina eu então !!!! vou esperar vc dizer pois nunquinha consigo ver 😀

    Responder

    1. Como é que não deram um prêmio pro Nobles ainda gente? Esse homem é demais.

      Vou ver o episódio de novo, se eu achar prometo que te conto.

      Responder

  3. e como fui esquecer de mencionar a presença iluminada do Hugo de Lost fumando um cachimbo baseado com o Walter
    ahahahahah
    eu sabia que ele ia fazer uma participação em Fringe mas não sabia qd … e foi uma grat supresa ele já na cena inicial
    perfeito

    Responder

Deixe uma resposta