Lie To Me: Sweet Sixteen (02×12)

The only way to fight terrorists is to fight like a terrorist – Cal Lightman

Hoje pela manhã comentava com meu marido o fato de eu só ter descoberto Alan Rickman com Harry Potter, o que é vergonhoso, já que o trabalho do ator é mais que admirável. Depois do primeiro filme da saga eu passei a recuperar o tempo perdido e a assistir todos os filmes do ator, favoritando vários e percebendo suas participações em filmes em que eu não havia dado a atenção necessária ao ator, como em Razão e Sensibilidade.

E por que eu estou falando tudo isso num review de Lie To Me? Porque eu continuaria o texto acima falando que a bobeira com relação a Rickman é ainda maior porque eu tenho uma verdadeira paixão por atores ingleses (tá, o sotaque tem parte da culpa) e aí entram tanto Tim Roth como Angus MacFadyen, que aqui fez o papel de Jimmy Doyle. O ator, que fez ponta nos mais variados seriados norte-americanos, estrelou o seriado Miracles, pouco conhecido, mas detentor de um certo charme, e também foi Jasão em Jasão e Os Argonautas, típica bomba que vira cult.

Tudo bem que aqui a coisa acaba meio caricata – o ator inglês fazendo o papel de um terrorista ligado as forças irlandesas – mas e daí? Se a gente gosta é porque fizeram certo.

Cenas favoritas? As cenas no corredor do estádio, bem com cara de suspenses ingleses, não é mesmo? Ah, ainda teve o momento das mãos entrelaçadas – a imagem aí de cima – que ficou ótimo e eu, que já sou fã dos comparativos com a vida real, adorei a sacada. E o finalzinho redentor? Eu adoro finais felizes, fazer o que.

Escrito por Simone Miletic

Formada em contabilidade, sempre teve paixão pela palavra escrita, como leitora e escritora. Acabou virando blogueira.

Escreve sobre suas paixões, ainda que algumas venham e vão ao sabor do tempo. As que sempre ficam: cinema, literatura, séries e animais.

Deixe uma resposta