Medium: The Devil Inside 1 e 2 (05×11 e 05×12)

medium S5E12

Acho engraçado pensar que eu não imaginava o que vinha destes dois episódios de Medium, principalmente eu não esperava pelo que aconteceria na segunda parte da história.

Este não será o primeiro episódio duplo de Medium, a bem da verdade existirá uma história funcionando como arco em vários episódios, mas acho que esse foi um dos que funcionaram melhor, já que a história acontece no ritmo certo, sem enrolação ou pressa.

Primeiro vemos Allison como alvo de um maluco, um fanático, Harvey, que acredita que o trabalho que ela realiza está ligado ao diabo. É a primeira vez em muito tempo que os roteiristas fazem referência ao fato da verdade sobre Allison ter sido revelada pelos jornais. E foi interessante tratarem isso numa história pessoal e não em mais uma história política.

A primeira parte da história refere-se, praticamente, a Allison tentando descobrir pistas em seus sonhos que permitissem identificar quem quer matá-la. Tudo vira um jogo de gato e rato, aonde ela, tanto quanto Devalos e Scalon, demonstra não estar preparada para esse tipo de ameaça tão pessoal.

Mais de uma vez ao longo dos anos Allison questionou se devia ir em frente com seu trabalho ou não e alguém colocando em risco sua vida e a da sua família é motivo mais que suficiente para isso.

Não bastasse a tensão decorrente da busca por quem ameaça sua vida, ela ainda precisa conviver com a pressão de Joe por respostas no campo “financeiro”, vamos chamar assim, depois que ele é encostado na parede por seu novo chefe. Sim, ao que parece, a vida de sonho de Joe acabou bastante rápido – pensem nisso: ele ficou com o dinheiro da compra e ainda arrumou um emprego em que tinha toda a liberdade.

Ah, achou pouco? Ela ainda precisa descobrir o sentido de sonhos que mostram uma mulher sendo assassinada. Realmente não foi uma semana fácil para a família DuBois.

Quando Scalon consegue matar o maluco a família DuBois não podia ficar mais avaliada e tudo parecia voltar ao normal. Aí veio a mais inteligente virada que os roteiristas podiam arquitetar: o assassino morto passa a alterar os sonhos de Allison, de maneira que ela não possa evitar novos assassinatos e, além disso, passando informações erradas na questão do chefe de Joe.

É absurdo, se não louco, pensar que Harvey acha que realmente está fazendo o serviço de Deus, que aquelas pessoas realmente precisavam morrer porque assim estava escrito. É absurdo pensar que não seria impossível encontrar alguém que realmente pensasse assim.

Talvez seja isso que tenha tornado essa segunda parte da história tão tensa. Até porque não conseguimos imaginar que solução seria possível para Allison. Não é possível matar um fantasma e ela não pode mais confiar em seus sonhos.

Se Joe encontra um caminho para resolver os seus problemas – as sensacionais bonecas de Marie – Allison não encontra um caminho. E nem Joe consegue muita solução, já que ele demora a perceber o real significado as bonecas.

O vilão de Harvey não deixa de ser interessante, a primeira coisa que pensamos é que ele é o exato oposto de Cooper, que preferia ver todo assassino morto antes que tivesse a chance de matar.

Mais interessante ainda é o final encontrado para Harvey: ele será assombrado por aqueles cujos assassinatos ele não permitiu que Allison evitasse. Imagino que a morte dele se torne muito mais difícil que toda sua vida.

Escrito por Simone Miletic

Formada em contabilidade, sempre teve paixão pela palavra escrita, como leitora e escritora. Acabou virando blogueira.

Escreve sobre suas paixões, ainda que algumas venham e vão ao sabor do tempo. As que sempre ficam: cinema, literatura, séries e animais.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *