Cinema: Adam

Assistir a filmes de diferentes culturas é importante para ver além do que estamos acostumados a entender como padrão. Por outro lado, esse mesmo exercício pode nos mostrar que, não importa o lugar que o mapa aponte, alguns sentimentos são universais.

É o que podemos perceber em Adam, longa de produção originária do Marrocos, que chega para nos contar sobre o destino de duas mulheres, e como esse destino é tão igual e tão diferente ao redor do mundo. 

adam_v2Primeiro filme de Maryam Touzani, que também é autora do roteiro da obra, Adam vem correndo por fora no circuito, tendo participado da seleção oficial da mostra Um Certo Olhar, também sendo exibido no Festival de Cannes deste ano, além de estar concorrendo a uma vaga para a lista dos indicados ao Oscar 2020 de filme estrangeiro.

De narrativa delicada, mas pungente, o longa conta a história da viúva Abla (Lubna Azabal), dona de uma modesta padaria em sua casa, onde vive com sua filha de oito anos, Warda (Douae Belkhaouda). Sua rotina simples é interrompida pela chegada de Samia (Nisrin Erradi), uma jovem grávida em situação de rua, procurando por emprego e moradia. A princípio, Abla reluta em dar abrigo à moça, no entanto ao finalmente fazê-lo, vê sua vida mudar de maneira irreparável.

Estreia de Maryam Touzani, o filme se originou de uma história real vivida pela diretora. Conforme conta, quando criança sua família recebeu em casa uma moça grávida que fugia de sua família, por medo e vergonha. Ter dado abrigo à essa mulher foi algo transformador para todos em seu lar, algo que a diretora procurou homenagear em Adam

Desse modo, em Adam vemos duas mulheres de diferentes histórias de vida compartilhando seus medos e sonhos, ainda que, por pressão da sociedade, não tenham certeza nem mesmo sobre o direito de fazê-lo. Em uma das passagens do filme, a experiente Abla comenta que “nem o direito da morte é dado às mulheres”, ao que Samia responde que “nada é dado às mulheres”. Nessa troca entre as duas, vemos uma reflexão profunda sobre o papel do feminino e o peso das suas ditas obrigações na vida de cada uma como mãe, mulher e como indivíduo.

Nem sempre uma tarefa fácil, o filme mostra com incrível sensibilidade como esse peso de ser mulher afeta de diferente forma cada uma de nós. Para além disso, nos ajuda a enxergar como mesmo sendo pessoas únicas, vivendo nas mais diversas culturas, ainda há algo que torna a dor e o sabor de ser mulher algo que pode ser compreendido em qualquer lugar do mundo que se olhe.

Sem dúvida, um longa que merece ser visto e reverenciado, tanto pela mensagem que passa quanto pela força delicada com que o faz.

AC20-May-FILM-Adam-Still-5

ADAM
MARROCOS, FRANÇA | 2019 | 98 minutos | Drama
Título original: Adam
Direção: Maryam Touzani
Elenco: Lubna Azabal, Nisrin Erradi, Douae Belkhaouda, Aziz Hattab e Hasnaa Tamtaoui
Roteiro:  Maryam Touzani
Distribuição: Arteplex Filmes
Produção: Nabil Ayouch

Com distribuição Arteplex Filmes, Adam chega ao cinemas brasileiros no dia 14 de novembro.

Vale ficar atento: para a estreia do filme no Brasil, a diretora Maryam Touzani virá à São Paulo e deve participar de eventos sobre o longa.

Escrito por Tati Lopatiuk

Tati Lopatiuk é redatora e escritora em São Paulo. Gosta de romances em seriados, filmes, livros e na vida. Suas séries favoritas são Gossip Girl e Breaking Bad. Pois é.

Seus livros estão na Amazon e seus textos estão no Medium.

Deixe uma resposta