Cinema: A Pé Ele Não Vai Longe

Com direção do premiado e duas vezes indicado ao Oscar® Gus Van Sant, A Pé Ele Não Vai Longe chega aos cinemas nesse final de ano com uma história de humor agridoce sobre um homem imperfeito buscando por redenção. Estrelado por Joaquin Phoenix, o longa é baseado no livro autobiográfico do cartunista americano John Callahan.

Desse modo, o filme traz a história real de Callahan, um alcoólatra que, após sofrer um acidente de carro, fica tetraplégico e se afunda ainda mais no vício.

No entanto, com algum tempo sofrendo demais com o alcoolismo e com a difícil adaptação à sua nova condição de vida, decide entrar em um grupo de apoio para se tratar.

Antes sem rumo profissional definido, ao iniciar sua jornada para superar o alcoolismo, Callahan acaba descobrindo o dom do desenho. O que acaba por transformar sua vida. Fazendo quadrinhos para jornais, o cartunista descobre sua forma de se expressar dentro do turbilhão que se tornou sua vida.

Nessa caminhada, terá apoio de um grupo peculiar de amigos do grupo do AAA que passa a frequentar. O humor de Callahan é agressivo, tanto em seus desenhos quanto no trato com outras pessoas, o que faz dele uma pessoa muitas vezes irascível. Lidar com isso é tão problemático para ele como é para seus amigos, cuidador e namorada. Dessa tentativa de ser uma pessoa melhor, A Pé Ele Não Vai Longe aborda a luta de um homem em se aceitar e viver apesar dos erros passados.

O filme conta com um elenco de peso. Além de Joaquin Phoenix no papel principal, temos a presença luxuosa de Jonah Hill, Jack Black, Rooney Mara, além das rockstars Beth Ditto e Kim Gordon.

A atuação de Phoenix se destaca, sendo que seu trabalho nesse filme vem sendo indicado como uma das melhores atuações de sua carreira. Ao interpretar o amargurado, e inesperadamente fofo, Callahan, Phoenix parece um pouco ele mesmo, mas vai além. A transformação física também chama a atenção: ao compor um personagem limitado fisicamente, vemos a entrega total do ator.

Também não podemos deixar de falar de Jonah Hill, que no filme faz o papel do mentor de Callahan em sua busca por sobriedade. Que Hill tem crescido demais ultimamente, rompendo a imagem clichê do “gordinho dos filmes de comédia”, é aqui que vemos o quanto ele é um artista talentoso e sensível. Seu personagem é quem conduz Callahan por sua libertação, sempre com humor, pulso firme e um carisma avassalador. Todas as cenas em que o personagem de Hill aparece nos arrancam sorrisos do rosto, tão cativante ele é.

Ah, e tem uma cena de dancinha que ele faz, que por si só já vale o ingresso.

Desse modo, o filme emociona por contar uma história tão marcante, porém sem precisar apelar para o caminho fácil do dramalhão. Tal qual Callahan e sua obra, A Pé Ele Não Vai Longe te leva às lágrimas enquanto você acha graça, te faz pensar quando a ideia inicial era apenas se distrair. Um filme lindo, que merece e muito a sua atenção.

Com direção e roteiro de Gus Van Sant, produção Iconoclast, Anonymous Content e Big Indie Pictures, A Pé Ele Não Vai Longe estreia nos cinemas brasileiros em 27 de dezembro, com distribuição da Diamond Films.

Escrito por Tati Lopatiuk

Tati Lopatiuk é redatora e escritora em São Paulo. Gosta de romances em seriados, filmes, livros e na vida. Suas séries favoritas são Gossip Girl e Breaking Bad. Pois é.

Seus livros estão na Amazon e seus textos estão no Medium.

Deixe uma resposta