Bates Motel: Hidden (5×04)

Quem vê a imagem acima, e não assiste a série, pode achá-la fofa. Se esbarrar na cena do episódio enquanto troca de canais, vai achar romântico. Para quem acompanha a série, sabe que este é Norman Bates e que Madeleine com esse vestido e este cabelo é a reencarnação de Norma, bem, resta ficar BEM perturbado com tudo isso.

Se a cena em si já era perturbadora, a verdade é que o clima todo do episódio foi assim, como se os roteiristas propositalmente nos entregassem um episódio em que nos lembram que Norman “não é mau”, ou pelo menos não tem consciência de sua própria maldade, e no seguinte ele conscientemente tem um monte de atitudes questionáveis.

Ainda que ele continue tendo seus lapsos de “lucidez”, como quando é o único dos três a falar que se livrar do corpo de Caleb é um mau negócio – ainda que o faça na inocência de esquecer que o corpo de sua mãe está congelado no porão em pose de rainha. No final das contas Chick acabou dando a Caleb um funeral honrado, como se ele estivesse tentando compensar o fato de tê-lo matado.

Chick teve presença de espírito em se manter ao lado de “Norma” na discussão, só que isso acabou lhe custando a nova moradia, a paz com Norman. Ainda que o menino depois tenha ido lhe pedir ajuda (lembraram que a cidade tem uma xerife e ela resolveu cutucar Norman por conta da investigação do desaparecimento do amiguinho de Romero), acho que a relação dos dois deve continuar abalada por mais algum tempo.

E já que falei de Romero: como ele conseguiu sobreviver a aquele tiro é um mistério para mim, mas agora Norman já sabe que ele está a caminho, então é provável que sua situação de quase-vivo não dure muito tempo ainda.

Mas o episódio foi mesmo da relação Norman e Norma: quando ele tenta matar a própria mãe em meio a discussão, a mãe que na verdade vive em sua consciência, ele é tomado por um relance da realidade em que ela já está morta. Ver os diferentes sentimentos que tomam sua mente naquela cena através dos olhos de Freddie é equivalente a um espetáculo completo.

Em seguida ele nos surpreende novamente, dessa vez quado você o vê sendo tomado pelo “espírito de sua mãe”, disposta a eliminar qualquer chance de que ele e Madeleine pudessem ser felizes juntos.

Sim, a gente por segundos também se esqueceu na cena do casal de que estávamos falando de Norman Bates.

Escrito por Simone Miletic

Formada em contabilidade, sempre teve paixão pela palavra escrita, como leitora e escritora. Acabou virando blogueira.

Escreve sobre suas paixões, ainda que algumas venham e vão ao sabor do tempo. As que sempre ficam: cinema, literatura, séries e animais.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *