Rosewood: Prosopagnosia & Parrotfish (2×08)

Eu definitivamente não consigo confiar na Tawnya, gente. Fico a todo instante esperando que algo aconteça para desmascará-la: quando tivemos a história do ex-marido e Rosie foi falar com ele, fiquei esperando que ele dissesse que não tinha ido atrás dele; neste episódio fiquei desconfiada da reação dela por conta da aproximação de sua filha com o restante da família e duplamente desconfiada quando ela muda de ideia rápido quanto ao assunto depois que Rosie a avisa de que ele é um pacote completo.

Estou na verdade estranhando muito a naturalidade com que Donna aceitou a moça, ainda mais considerando sua reação aos relacionamentos anteriores do filho.

E não bastasse o fato de eu ficar incomodada com essa história, algo na trama do crime de hoje também não funcionou bem. Primeiro porque Rosie sacar prosopagnosia do nada como diagnóstico foi muito estranho e acabou apenas servindo para que ele ficasse todo atencioso com o rapaz antes de descobrir que ele era o assassino para então ter motivo para ficar duplamente louco da vida com o cara.

O que funcionou foi a ligação de Slade com o caso, que nos revelou um passado bastante turbulento, recuperado graças a uma casa para garotos que também salvou o rapaz morto no episódio. Não sei vocês, mas eu fui ficando cada vez mais triste enquanto íamos aprendendo sobre ele, sobre a forma como ele ajudava outros garotos, como ele trabalhava e tinha um sonho.

E, no processo, desprezávamos cada vez mais Ben, o tal rapaz com prosopagnosia, usando da amizade com Rosie, usando o que ele sabia sobre a vida da vítima para tentar incriminar os amigos desta e, finalmente, sendo descoberto como um cara em busca de vingança – e uma vingança por motivo bobo.

Não foi um grande episódio de Rosewood, pelo menos não até sermos surpreendidos pelo fato de que a busca pela inocência de Gerald ficou mais complicada agora que não existe um corpo para ser exumado.

Escrito por Simone Miletic

Formada em contabilidade, sempre teve paixão pela palavra escrita, como leitora e escritora. Acabou virando blogueira.

Escreve sobre suas paixões, ainda que algumas venham e vão ao sabor do tempo. As que sempre ficam: cinema, literatura, séries e animais.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *