NCIS: M.I.A. (14×18)

Eu já disse aqui, e repeti, o quanto tenho gostado do clima desta temporada em geral – e acho engraçado ver amigos achando esta temporada chata, para mim ela peca em algo que tem sido recorrente na série, que é a falta de vilões realmente ameaçadores – e de Nick Torres. Pois bem, apesar do caso da noite ser pessoal para Gibbs – ajudar a filha de um velho amigo, que cresceu vizinha dele – foi para Nick que a câmera e o roteiro deram destaque desde o início.

M.I.A. foi um daqueles episódio com poucas cenas de ação, nenhuma trama conspiratória, mas redondinho e emocionante. Gibbs sendo Gibbs, pelo amigo e a filha e pela equipe – colocando Nick para enfrentar algo que era difícil para ele, mas sem deixá-lo sem amparo -; um pouquinho do passado do Nick, para nos fazer entender ainda mais porque ele é essa cara de pouca bagagem, sempre pronto para ir embora; e um pouquinho de humor por conta dessa história do pessoal da equipe participar de uma maratona. O que mais tinha naquele energético da Abby, meu Deus?

Eu gostei da virada que a investigação acabou tendo, ao apontarem para o namorado ciumento da outra marinheira eu achei que ele poderia estar envolvido, principalmente quando a garota apareceu morta, mas a revelação de que o líder do navio era o verdadeiro assassino não foi despropositada.

Na verdade não somente funcionou bem, afinal quem teria mais liberdade do que ele para usar o barco para traficar drogas, como ainda nos rendeu a ótima cena dele sendo preso por Gibbs e Quinn em meio aos demais membros da tripulação.

E se Nick revelou seu coração com a Laura, contando sobre Sofia, ele continua sendo o garotão do primeiro episódio, principalmente quando publica o desempenho na corrida do McGee nas redes sociais. Ah, eu sabia que a Quinn estava trapaceando, eu sabia!!!

Escrito por Simone Miletic

Formada em contabilidade, sempre teve paixão pela palavra escrita, como leitora e escritora. Acabou virando blogueira.

Escreve sobre suas paixões, ainda que algumas venham e vão ao sabor do tempo. As que sempre ficam: cinema, literatura, séries e animais.

4 Comentários


  1. Este episódio me lembrou a minha irmã que faleceu da mesma doença a menos de 2 meses. Muito triste. Estou gostando muito desta temporada.

    Responder

  2. Estou gostando dessa temporada. Sinto falta do Tony maso Torres é ótimo. Até me surpreendi porque só melhor do ator naquele papel em The 70 show.

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *