Elementary: Ready or Not (4×18)

Vamos combinar que foram muitas reviravoltas para um quase óbvio resultado: eu primeiro desconfiei da esposa, mas quando ela foi descartada como suspeita foi fácil perceber que o médico super interessado em ajudar era a óbvia melhor opção – até porque anos de seriados policiais nos ensinaram que pessoas que dão álibis muitos detalhados quase sempre estão encobrindo o crime que cometeram.

Não que o tal negociador do “condomínio para o fim do mundo” fosse pessoa boa – quando eu vi Sherlock jogando as caixas vazias todas no chão eu só conseguia pensar na tremenda cara de pau do cara -, mas ele não me parecia um assassino. Apenas um cafajeste.

Falando nisso: quer dizer que Morland tem medo do fim do mundo e já garantiu seu lugar para sobreviver quando tudo ficar perigoso demais para os ricaços assassinos? Em um primeiro momento me pareceu estranho, depois acabei achando que era bem a cara dele.

elementary-ready-or-not-s04e18-4x18

Mas aqui também foram as histórias pessoas que mais nos envolveram – como em Bones – ou melhor, foi a história do relacionamento de Sherlock e Fiona. O relacionamento do casal quase termina porque Fiona achou que Sherlock não estava sendo ele mesmo, mas a grande verdade é que nosso amigo detetive e experiente em muitas coisas, mas o amor não é uma delas.

Confesso que só agora eu parei para pensar que a única relação dele, se é que podemos chamar assim, foi com uma psicopata assassina. Ainda que nos livros ele nem isso tivesse.

Fiquei feliz dele ter sido sincero com ela e dos dois terem dado o passo seguinte – eu já disse que estou encantada com o Fiona e que a acho perfeita para o Sherlock, não disse?

A parte engraçada ficou por conta da abstinência do detetive rolar justamente quando seu vizinho estava de namorada nova…

 

 

Escrito por Simone Miletic

Formada em contabilidade, sempre teve paixão pela palavra escrita, como leitora e escritora. Acabou virando blogueira.

Escreve sobre suas paixões, ainda que algumas venham e vão ao sabor do tempo. As que sempre ficam: cinema, literatura, séries e animais.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *