Rosewood: Pilot (1×01)

Vocês tem uma chance só para acertar o motivo pelo qual eu dei uma chance para Rosewood na semana passada. Já sabem? Hummm, acham que é só porque esse é mais um procedural policial e eu sou apaixonada por procedurais policiais – a própria badge bunny?

Erraram. Tá, esse é um grande motivo, mas o primeiro tem nome e sobrenome e está meio gordinho na verdade: Anthony Michael Hall.

Acabei de revelar minha idade, não é mesmo? Clube do Cinco, Gatinhas e Gatões, Mulher Nota Mil e The Dead Zone, meu passado com Anthony é antigo e acho uma pena que ele só participe do piloto desta série – coisa que eu só descobri agora olhando no IMDB.

Sorte de Rosewood que eu tenha gostado dele e esteja disposta a assistir a mais episódios antes de decidir se nosso relacionamento vai para frente. E da mãe dele. E da irmã dele. Bom, gostei deles todos e do fato de estarmos no sol de Miami… Tá, o fato de que a série se passada em Miami não é exatamente algo que me empolga muito, mas se está ensolarado, tudo bem.

Ainda tenho dúvidas com relação ao que sinto pela Annalise e pela dupla Rosewood e Annalise, mas, assim como Miami, darei tempo ao tempo.

Para quem não viu: Rosewood é um House de Miami. Médico patologista, charmoso, de boa família e que sofre horrores por causa de uma doença – eu não vou contar o que é, afinal eu estou aqui falando com quem não viu, mas que é tremendamente bom no que faz. Ele é o melhor, o que parece dar desculpas para que ele nem sempre seja o cara mais legal ou para que ele seja bem intrometido.

Neste primeiro episódio ele acaba se envolvendo na investigação de um acidente a pedido de sua mãe, mas ele acaba se revelando um assassinato e existe toda uma trama de tráfico por trás disso. Em meio a investigação ele vai esbarrar, repetida e diferentes vezes, na nova detetive da cidade, recém chegada.

Entre os dois brigando bastante e a evidente atração que tem um pelo outro, Rosewood vai ter muitos momentos de iluminação, vendo pistas em lugares em que nenhuma de nós veria, mas é Annalise que vai derrubar uns bandidos e garantir que o certo seja feito.

Clichê? Bom, se você se irrita com clichês, esta série não é para você. O visual é lindo, os personagens são legais, mas o roteiro não teve seu melhor dia aqui. Claro que, sendo o piloto, a gente dá um desconto para os exageros. A questão é se a série vai corrigir essas coisas nos próximos episódios e deixar de ser mais do mesmo.

Afinal, só uma fotografia de tirar o fôlego e um protagonista bonitão não são capazes de garantir que a gente volte semana depois de semana, não é verdade?

rosewood

Escrito por Simone Miletic

Formada em contabilidade, sempre teve paixão pela palavra escrita, como leitora e escritora. Acabou virando blogueira.

Escreve sobre suas paixões, ainda que algumas venham e vão ao sabor do tempo. As que sempre ficam: cinema, literatura, séries e animais.

4 Comentários


  1. Para mim foi mais próximo de Body Proof in Miami, um Dana Dellany de calças pois a médica também sofria de uma doença.

    Para ser sincera eu gostei, não consegui resistir ao sorriso encantador de Rose !!!

    E é uma pena que o Antony Michael Hall tenha só participado deste piloto, mas o Domenick Lombardozzi será um reforço muito bom.

    Responder

    1. Nossa, verdade, muito Dana Dellany o jeito dele!!! Eu gostei, Rosie é lindooooooooo, mas eu ainda espero um acerto de tom, um pouco menos de exagero, sabe?

      Responder

  2. Costumo não gostar desses personagens sabichões, mas sabe que desse eu gostei. Acho que tá meio over, mas também é o piloto, nem todo piloto é Lost, então, ele deve acertar o tom. Mas achei a série leve, tipo a da Laura, e da que essa acabou, o novo doutor pode ser um bom substituto.

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *