Elementary: The Past Is Parent e Evidence of Things Not Seen (4×01 e 4×02)

E eu até hoje não escrevi sobre o final da terceira temporada. Vergonha, vergonha, VERGONHA. Na verdade, vocês podem até achar que é desculpa, eu ainda estou inconformada com aquele final. Assisti três vezes e nas três vezes o sentimento foi o mesmo: por que derrubar Sherlock desta forma? POR QUE?

Ao longo de três temporadas vimos a tremenda luta que ele travou para se reabilitar, o quanto deixou que Watson o modificasse, até mesmo baixou a guarda. Para então ser derrubado novamente e na tentativa de salvar alguém com quem se importava – vejam só: ele se importava – ele voltou às drogas.

Elementary The Past is Parent 4x01 s04e01 Sherlock e o pai

The Past Is Parent, primeiro episódio desta nova temporada, mostra Sherlock lidando melhor do que eu esperava com sua queda. Ele não sucumbiu as drogas, mas tem de lidar com as consequências dos atos do final da temporada que incluíram, além das drogas, tortura.

E lidar com as consequências significa aguardar a decisão do promotor sobre ser processado ou não, não poder trabalhar com o pessoal da polícia e lidar com a chegada de seu pai. Sim, Morland Holmes decide ir à Nova Iorque e entender o que aconteceu de verdade com seu filho, sem perceber que ele não é considerado um fator  de ajuda na recuperação.

Do lado de cá da tela isto é um presente: a presença de John Noble, ou o simples anúncio de sua chegada, parece ter levado Jonny Lee Miller a outro nível de atuação. Tudo bem, a verdade é que eles fez isso já no final da temporada passada e soube bem manter a qualidade.

Foi interessante ver Sherlock focado apesar da chegada de Morland – que só aparece mesmo depois de ser “intimado” pela Watson – mas sua principal preocupação foi não levar Joan com ele para o precipício. Foi palpável a decepção dele quando o capitão confirma que ela provavelmente também não prestará serviços para a polícia. Nunca mais.

Sherlock faz uma das coisas que mais odeia: pede ajuda a um agente do MI6, mas descobre que também lá será difícil conseguir trabalho.

Quando ele se vê sem opções é seu pai que aparece com uma oferta, mas ele não está nem um pouco confortável para aceitá-la.

Elementary Evidence of Things Not Seen 4x02 s04e02

Tanto que ele divide a proposta e sua dúvida com Joan que resolve pesquisar por conta própria o que será que o senhor Holmes está escondendo e nem é difícil saber: ele primeiro subornou a promotoria – de uma maneira bastante inteligente, devo admitir – e fará o mesmo com a polícia.

Só que, por mais que todos nós tenhamos todos os pés atrás com esse senhor, parece que seu coração está no lugar certo: ele entende que Nova Iorque, e Joan, só fizeram bem a Sherlock. Bem como seu trabalho com a polícia e ele apenas quer garantir que ele continue a ter estas três coisas para não ter uma nova recaída. Podemos questionar seus métodos, mas a intenção parece correta.

Se a presença do pai de Sherlock e as dúvidas sobre o futuro dele são parte importante do episódio, o caso que Joan e Sherlock investigam com o FBI, que no final é resolvido graças ao rato, foi muito bem escrito. Sim, no momento em que ele confronta a candidata a diretora eu sabia que ela era culpada, mas fui devidamente desviada pela história do cúmplice que no final não existia. Parabéns, roteiristas, foi uma excelente jogada.

Ah, preciso dizer: com mais tempo de tela de Morland e mais Morland e Sherlock, este episódio foi um show a parte, não é verdade?

P.S. John  Noble emagreceu muito e eu acho que isso acabou por envelhecê-lo também.

P.S. do P.S. Interessante o roteiro lidar com o fato de que em mesma medida Morland pode ser responsabilizado pelos problemas e pelas soluções na vida de Sherlock. Ele foi um péssimo pai e um dos motivos pelos quais Sherlock acaba nas drogas? Foi suas exigências em relação à Joan que fizeram com que Sherlock encontrasse não só a sobriedade, como também sua razão maior para viver.

Escrito por Simone Miletic

Formada em contabilidade, sempre teve paixão pela palavra escrita, como leitora e escritora. Acabou virando blogueira.

Escreve sobre suas paixões, ainda que algumas venham e vão ao sabor do tempo. As que sempre ficam: cinema, literatura, séries e animais.

4 Comentários


  1. ahhh que grata felicidade poder ver John Noble de volta a telinha \o/

    a um tempo atrás uma pessoa que estava fazendo uma matéria sobre opiniões entre Sherlock do Cumberbach e Elementary e chego a uma diferença total, os pais, enquanto em Sherlock tivemos um casal de idosos super fofos – que na realidade eram pais do Ben Cumberbach – agora conhecemos o pai de Holmes em Elementary como sendo um homem muito controlador e temido pelo próprio filho

    dois episódios excelentes, alias não entendo da Universal demorar tanto para exibir Elementary e agora exibir 2 episódios seguidos todas as quintas

    Responder

    1. Também não entendo, Cleidoca. Me enrolo toda!! E acho que acontecerá o mesmo com The Good Wife.

      Amei ele no papel do pai!! Na verdade este aqui tem mais a ver com os livros, mas amo os de Sherlock!! <3

      Responder

  2. Não tinha assistido o fim da temporada e assistir quase que 5 episódios na sequência, os 3 da terceira e os 2 da quarta. Ainda acho uma das melhoras séries. O Miller é excelente e a Joan é uma das melhores pessoas de todos os tempos de todas as séries.

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *