Criminal Minds: The Sandman (11×17)

Quando Morgan olhava seus “novos colegas de pôquer” e deixava a casa do Rossi, eu pensava: poxa, eles sequestraram ele, quase o mataram e está todo mundo calmo assim 6 meses depois sem pistas? Meu pensamento estava assim quando o vemos sentado ao lado do carro aguardando Savanah. Depois de ser sequestrada jamais que eu baixaria a guarda me expondo daquele jeito.

Pois se o episódio fosse ao vivo eu me sentiria culpada achando que ouviram meus pensamentos… Por que? Por que? Por que?

Espero mesmo que este tiro tenha passado de raspão!

Criminal Minds Sandman 11x17 s11e17

Desta vez sob direção do Joe Montegna, a equipe teve de descobrir o assassino por trás da morte de uma família inteira. É preciso juntar peças e correr contra o tempo quando uma segunda família é atacada: o pai morre, a mãe vai para o hospital e filha é sequestrada. Em comum nos dois crimes o uso de uma areia e cola nos olhos dos pais das crianças.

Uma jogada muito boa do roteiro foi dificultar o perfil do assassino porque todos da equipe assumiram que a mãe ter ficado viva no segundo ataque havia sido um erro, quando na verdade era o contrário: a morte da primeira mãe e consequentemente do menino, morto pouco depois do sequestro, é que tinham sido erros do assassino.

Um assassino que repetia em parte o que viveu na infância: com o pai ausente, ele é sequestrado e abusado por um homem, isso enquanto sua mãe, drogada e bêbada, dormia dentro do próprio carro. Algumas coisas não ficaram claras ao final, como o motivo da areia nos olhos das vítimas, que acabou por dar nome ao episódio, mas a participação de JJ conduzindo a mãe da segunda vítima foi importantíssima para dar mais tempo para que pudessem salvar a garota sequestrada.

Novamente a tônica que tem marcado a temporada: os assassinos são pessoas que sofreram perdas profundas e não tiveram ninguém que lhes ajudasse a superá-las de uma forma saudável.

Ainda que o caso tenha sido complicado, a tônica do episódio acabou sendo a tensão por conta do ocorrido com o Derek, marcado no início por seu retorno ao trabalho, sua olhada para a foto da Strauss, depois sua folha de anotações sobre seu sequestro. Ao final pela sua reflexão sobre o que ele passou e então o tiro. A verdade é que enquanto esta trama não for resolvida não ficaremos em paz.

Espero que no próximo episódio não tenhamos um “to be continued” novamente.

“Por sorte estou são depois de tudo que passei. Por enquanto, a vida tem sido boa para mim.” – Joe Walsh

P.S. O Joe Walsh da citação é um diretor e roteiristas e estava na mesa de pôquer de Rossi.

Escrito por Simone Miletic

Formada em contabilidade, sempre teve paixão pela palavra escrita, como leitora e escritora. Acabou virando blogueira.

Escreve sobre suas paixões, ainda que algumas venham e vão ao sabor do tempo. As que sempre ficam: cinema, literatura, séries e animais.

1 comentário


  1. A areia é porque enquanto o assassino era a usado e era obrigado a ficar de frente para um marcador de tempo de areia.

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *