NCIS: Loose Cannons (13×16)

E quem diria que doutor Taft se sairia tão bem como investigador, não é verdade? Sei que muita gente teve reservas com o personagem (ou com o autor que interpreta o personagem), mas devo dizer que ele foi importante neste momento em que Gibbs parece decidido a se permitir o novo, se permitir se abrir com alguém.

Além disso, ele e Tony e ele e Duck tiveram ótimos momentos. Sinto que sentirei saudades dele se ele realmente não aparecer… Ainda que os dois minutos de tela da psicóloga Grace me digam que podemos esperar boas coisas dela.

NCIS Loose Cannons 13x16

Taft jamais imaginaria, enquanto jantava com Gibbs e tentava arrancar algo mais sentimental deste, que passaria dois dias investigando um grupo de tráfico de armas, que ele ajudaria Duck a encontrar a tal prótese que foi fundamental para resolver o caso, que seu carro explodiria pelo ares e que Gibbs aceitaria conversar com uma psicóloga. Depois ele ainda estava lá quando Duck encontrou a bala que trouxe a baila o pai de Jeanne.

Logo depois do Tony ter jurado para ela que o caso nada tinha a ver com ele. Bom, ele não mentiu, primeiro porque não tinha até o momento em que os dois se falaram, depois porque na verdade era um dos antigos caras dele que estava envolvido e não ele. De qualquer modo a ajuda de Jeanne acabou sendo importante…

Enquanto ela falava sobre o pai com Gibbs e Bishop, o marido teve “a conversa” com o Tony. Sim, doutor perfeito sabia do passado dos dois e sabe, tanto quanto nós, que histórias de amor que acabam como as deles, bem, deixam aquele gosto do que poderiam ter sido.

E tudo começou com a estranha cena do começo, com os dois sub oficiais dando de cara com aquele carro no meio da ronda. Eu nem sei dizer o quanto falei com a TV naquele momento pensando: liguem pedindo ajuda, não desçam deste carro, não, não, não.

Confesso que eu cheguei a desconfiar que o tal agente da ATF na verdade era bandido, ele ali falando com a moça, depois aparecendo quase junto com a equipe do NCIS na casa… Não fui a única, só que Gibbs foi melhor de palpite que eu: a ATF tinha planos de pegar bandidos maiores e não estava ligando nada para a morte de um rapaz da Marinha.

Questão resolvida, bandido preso, Taft saindo de férias e Gibbs com nova companhia para o café.

P.S. Aquele momento em que você dá graças aos céus pelo carro velho! Eu definitivamente não estava preparada para ver a esposa do Taft explodindo dentro daquele carro.

P.S. do P.S. Sei que Tony e Jeanne se despediram, mas um pedaço de mim torce para que seja apenas temporário, por mais que o marido dela pareça um cara legal. Tony e Jeanne juntos representariam o final feliz que eu desejo para o personagem.

Escrito por Simone Miletic

Formada em contabilidade, sempre teve paixão pela palavra escrita, como leitora e escritora. Acabou virando blogueira.

Escreve sobre suas paixões, ainda que algumas venham e vão ao sabor do tempo. As que sempre ficam: cinema, literatura, séries e animais.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *