CSI: Cyber: 5 Deadly Sins (2×16)

Como não pensar em Seven ao assistir a este episódio? Bom, se você é mais novo que eu pode até não ter pensado neste clássico do suspensa, caso contrário a referência não poderia ser mais clara.

Se em Seven um assassino escolhe pessoas para representar teatralmente os 7 pecados capitais, aqui a assassina escolhe suas vítimas para representar os 5 pecados da internet: discurso de ódio, pornografia, violência, drogas e trollagem (chateação?:).

Se em Seven vemos cenas bastante horríveis como quando ele mata um homem que simboliza a gula, aqui também não economizaram na teatralidade: a cada crime a assassina ilustra o pecado com uma imagem e deixa um código QR para ser escaneado, o código acaba por disparar a foto seguinte, o que acaba pegando mal para o pessoal do FBI.

CSI Cyber 5 Deadly Sins 2x16 s02e16

A diferença aparece na hora de investigar o criminoso em questão: primeiro por conta da necessidade do assassino de acessar os perfis que tiveram as violações de conduta apontadas, depois a geolocalização ajuda a equipe duas vezes, primeiro a identificar com quais vítimas potenciais a assassina teria se encontrado – e aí a sorte dá sua ajudinha e temos apenas um rapaz – depois a localizar aonde ele e ela estariam.

E a internet não mudou só esta investigação: ela mudou a forma como as pessoas se sentem protegidas em praticar os mais horríveis atos sem se preocupar com quem atingem. Acho que poucas pessoas conseguiriam ver a quantidade de mau que existe na rede sem se deixar levar pela loucura. A assassina em questão teve empatia demais para sua própria saúde.

Como eu disse em meu texto passado, os roteiristas da série se saem bem melhor com casos simples de apenas um episódio do que com sagas de assassinos em série, não é mesmo?

E isso nos leva a outra parte do episódio: a perseguidora de Mundo está de volta e agora envolveram até o pai doente do rapaz na trama.

Claro que a forma como Mundo agiu no hospital apenas fará com que a moça surte, a gente só não sabe o que virá agora – a gente só sabe que ele como agente do FBI já devia tê-la denunciado quando ela apareceu na aula da esposa e na casa dele, assim como sabe que de garçonete louca ela será promovida a hacker só para poderem fazer a equipe investigar o que ela vai fazer, certo?

Escrito por Simone Miletic

Formada em contabilidade, sempre teve paixão pela palavra escrita, como leitora e escritora. Acabou virando blogueira.

Escreve sobre suas paixões, ainda que algumas venham e vão ao sabor do tempo. As que sempre ficam: cinema, literatura, séries e animais.

2 Comentários


  1. Uau. Acho que sou mais velha que você e não fiz a ligação com Seven. Talvez porque lá eram Morgam Freeman e Brad Pitt, e aqui seja essa equipe que não convence. O enredo foi muito bom, e você acertou em cheio – a moça teve excesso de empatia, o que mostra que às vezes o pior dos outros pode nos contagiar.

    Responder

    1. Seven está na minha lista de favoritos para sempre, então a associação veio fácil fácil. Ainda que realmente não dê para comparar a atuação dos dois elencos…

      Responder

Deixe uma resposta