The Blacklist: Quon Zhang (2×20)

É, acho que falei mais do que devia quando disse que The Blacklist tinha resolvido empolgar só na reta final da temporada: na verdade a série resolveu empolgar em um episódio só. Já neste voltamos ao marasmo de sempre.

A bola da vez do Red era um contrabandista que enviava para o Japão corpos de mulheres mortas para que estas fossem enterradas ao lado de jovens mortos antes de casar e que espalhariam azar por aí – pior momento: o cara falando para a Liz que agora ela teria o tal azar e ela com cara de “masss ééééé?”.

Para não destoar, o moço teria ligação com aquele povo que a gente não sabe o que quer fazer, mas sabe que é mau, e que tem algum plano que dependia do cara enviar coisas para algum lugar. Olha como está fácil seguir a história.

No lado bom, enquanto o FBI corria atrás do amigo Zhang, foi Navabi ajudando Red em sua própria missão, primeiro dando uma de agente do Mossad má que vai torturar o cara e depois toda boazinha para enganá-lo – em momento algum eu consegui acreditar que ela estava traindo o Red, na verdade acho que ela e Dembe são os mais fiéis escudeiros de nosso protagonista.

The Blacklist Quon Zhang 2x20 s02e20

 

Já o casal Sem Graça e Sem Sal se uniu para descobrir o que Red afinal esconde da moça. Bom, uma moça que não lembra de nada do passado apostar firmemente que o Red não é o pai dela porque ela lembra dele ter morrido foi um pouco demais para mim.

Apesar disso, Red resolveu entregar pedaços da verdade para ele: sim, foi ele que fez com que ela esquecesse o passado; seriam os pais de Liz agentes da KGB e seu nome verdadeiro é Mischa e, graças ao Tom, ela sabe que existe alguma ligação entre a mãe dela e Berlin.

Só que Berlin já morreu, então não acho que eles apostariam fichas em Liz ser sua filha. Ainda assim, se tudo que Red falou for realmente verdade desviamos da ideia dele ser seu pai.

Por último temos o insosso do Harold enfrentando dilemas morais por conta de seu tratamento e dos pedidos do diretor da unidade. Podia até ser interessante, mas não consegue ganhar nem dois minutos da minha atenção.

P.S. Aquele triste momento em que nem para a trilha sonora eu ligo mais…

 

Escrito por Simone Miletic

Formada em contabilidade, sempre teve paixão pela palavra escrita, como leitora e escritora. Acabou virando blogueira.

Escreve sobre suas paixões, ainda que algumas venham e vão ao sabor do tempo. As que sempre ficam: cinema, literatura, séries e animais.

4 Comentários


  1. O Harold devia suspender o tratamento logo, aí os roteiristas tinham um motivo para matá-la (já que parece que eles não encontram um). Oh meu Deus, saudade de Hannibal e Bates Motel. Qdo eu falo que esses roteiristas estão sem medicação, ninguém acredita…

    Responder

  2. Mulheres… A série continua muito legal. Assim como os monólogos do Red.

    Responder

Deixe uma resposta