Elementary: End of Watch (3×08)

Dica do dia: não saia matando policiais como se isso não fosse nada demais, primeiro porque eles farão qualquer coisa para te pegar, segunda que quando te pegarem, bem, é provável que você não exista por muito tempo depois disso.

Elementary: End of Watch

E, na verdade, esse foi o maior apelo de End Of Watch, cuja segunda trama foi simples, mas bastante eficiente, ao mostrar que as frases de efeito de Sherlock estavam sendo usadas por um colega de reunião do NA em um blog para viciados em recuperação.

Falo simples, mas bastante eficiente porque ela vem a ressaltar quem Sherlock é: um homem que não duvida de sua inteligência, ele não entende o fato de suas frases serem compartilhadas não por não achar que fala bem, mas porque ele não quer que elas sejam, e um homem de retidão inquestionável, porque ele entende que se concordar com aquilo não somente o seu anonimato ficará prejudicado, mas das demais pessoas que participam dessas reuniões e que precisam disso para se recuperar.

Gostei demais como isso foi conduzido, porque a ameaça que ele faz ao”blogueiro”é apenas uma forma dele mostrar firmemente o que acredita – sim, Sherlock seria mesmo capaz de fazer o que achar necessário para garantir o que quer, mas esse não é o ponto.

Enquanto isso, ali na investigação da morte do policial a coisa ficou meio pela metade: eu poderia imaginar mil tramas interessantes a partir do momento em que se descobre que a arma do policial não era de verdade, mas os roteiristas resolveram torná-lo um viciado que com a mais absurda facilidade de roubar armas do arsenal da polícia.

Talvez por conta disso faltou apelo pra todo mundo ficar mais dedicado à investigação, ainda que a segunda morte acabe sendo muito bem justificada, amarrando pontas.

Um episódio irregular, como tem sido a temporada até aqui – e eu achando que ela tinha engrenado nos dois últimos episódios.

Escrito por Simone Miletic

Formada em contabilidade, sempre teve paixão pela palavra escrita, como leitora e escritora. Acabou virando blogueira.

Escreve sobre suas paixões, ainda que algumas venham e vão ao sabor do tempo. As que sempre ficam: cinema, literatura, séries e animais.

Deixe uma resposta