Person of Interest: Liberty (3×01)

Eu sei, rolou uma decepção quando você não ouviu a voz rouca do Reese, não foi não? Eu nem consegui ir muito longe e olha que eu fiquei esperando sentada E cansada até que o Warner resolvesse trazer esta série querida de volta -e algo me diz que só trouxe por alguma obrigação contratual da vida e que logo logo essa temporada estará na TV aberta ou no Netflix.

Mas sem a voz do Reese não dá e, serei sincera, tenho o péssimo costume de me atrapalhar e deixar para trás séries que não tem data de horário certinho na telinha. Ia, inclusive, deixar pra lá e nem escrever este texto aqui.

Só que tocou Nina Simone ao final do episódio. E se toca Nina Simone eu preciso vir aqui, nem que seja para dizer que tocou Nina Simone e colocar o link para o vídeo no Youtube e falar para vocês clicarem lá e depois voltarem aqui.

Para quem não lembra de mais nada, tipo eu, é só clicar aqui e ler o que escrevi sobre o final da segunda temporada. Em resumo: tudo mudou, descobrimos que a missão de Harold de cuidar dos irrelevantes também é movida pela culpa de não ter feito isto desde o início; a máquina desapareceu graças a um recurso que o próprio Harold criou; antes do desaparecimento o governo descobriu sobre Harold; só que a máquina passou a ignorá-lo e agora é Reese que recebe os números; Carter ajudou Elias e acabou na linha de tiro; e Urso virou personagem regular.

E agora? Bom, a louca de pedra da Root está, ou estava, em um manicômio, meio que tratando a máquina como um deus. Os poucos minutos com o psiquiatra dela foram o bastante para que eu nem sentisse pela morte dele.

Person of Interest: Liberty (3x01)

Shaw continua indomável, ajuda Harold e Reese, que ainda ajeitando as coisas, apenas quando ela quer e do jeito que ela quer, mas ela foi bem útil hoje já que tinha mais gente contra Reese e Harold do que o normal – bandidos nas forças especiais, russos e a polícia.

Falando de polícia: nada menos adequado do que ver Carter de volta ao uniforme e a patrulha de rua, mas ela não esqueceu da sua vingança, o que deu naquela cena totalmente Life do fundo do guarda-roupa.

Enquanto Fusco se saiu muito bem na hora de desarmar a bomba. Como não amá-lo e como não achar mais injusto Carter na patrulha e ele na homicídios, heim?

P.S. Até Elias deu uma passadinha no episódio. Muito amor!

 

Escrito por Simone Miletic

Formada em contabilidade, sempre teve paixão pela palavra escrita, como leitora e escritora. Acabou virando blogueira.

Escreve sobre suas paixões, ainda que algumas venham e vão ao sabor do tempo. As que sempre ficam: cinema, literatura, séries e animais.

6 Comentários


  1. Ódio! Ódio da Warner, que fica reprisando eternamente Friends, TBBT e outras e faz isso com a gente. Há uma explicação? Eu nem sou contra dublar, mas há o recurso de escolha que a Universal usa tão bem.Muito triste.

    Responder

    1. Sim, opção minha gente, opção!

      Apesar de eu achar mais grave em casos como esse, em que a série já tinha sido exibida legendada e passa do nada a ser dublada. Pelo menos a Sony seguiu pelo caminho de manter o que era e começar as novas dublados.

      Responder

  2. eu acredito que se a warner não exibisse o Tio Silvio iria exibir nas madrugadas de domingo para segunda no SBT

    olha … eu gosto muito da Shaw mas deixá-la comendo um bife com uma faca sentada numa escada foi triste … não precisam denegrir a personagem até este ponto né ?

    e a Root está maluquinha beleza … hehehehehe

    Responder

    1. Então, eu achava que eles só perdiam a janela, mas por conta da história de hawaii Five-O e Blue Bloods eu descobri que dependendo do contrato eles são obrigados a exibir, caso contrário tem multa porque o seriado poderia estar sendo exibido em outro canal, seriado na estante não é interessante para o distribuidor e pode comprometer a venda de temporadas futuras.

      Tô achando que foi por isso, viu?

      Pobre Shawn estava meio bipolar, uma hora chique, linda, matadora, depois comendo bife na escada… Ela precisa latrgar a mão de ser teimosa né?

      Responder

  3. É por conta disso que não assisto mais a séries/filmes dublados. Procuro meios “alternativos” para assistir. É um grande desrespeito ao assinante essa modinha de entubar tudo dublado, sem dar opção de legenda. Quanto à POI, abandonei a série no início da quarta temporada, muito por conta da minha antipatia pela Shaw e pela Root. Não consigo gostar delas. Aí, para não me aborrecer, fiz como fiz em NCIS (com aquela bocó sem profissionalismo da Bishop). Larguei.

    Responder

  4. Fabiana, queria me desapegar assim. Não consigo, fico assistindo e reclamando. Também acho Bishop desenxabida.

    Responder

Deixe uma resposta