Tyrant: Pilot e State of Emergency (1×01 e 1×02)

Sim, o horário não ajuda muito e o FX ofereceu legendas em espanhol no dia da estreia, mas Tyrant é aquela série que não pode faltar na sua lista de favoritas.

Escrita e produzida pelos produtores de Homeland, Howard Gordon e Gideon Raff, a série conta a história de Bassam “Barry” Al-Fayeed (o ótimo, e lindo, Adam Rayner). No episódio piloto vemos Barry em sua vida nos Estados Unidos, um médico bem sucedido, casado com Molly (Jennifer Finnigan ,de Close To Home), e com dois filhos adolescentes.

Imagine a família típica de filmes americanos: a esposa bonita, a filha bonita e que tenta ser certinha, o filho que não está nem aí para nada, perfeito para ficar deslumbrado com as vantagens de pertencer a uma “família da realeza”.

A família está prestes a partir em uma viagem para o Oriente Médio, aonde Barry deixou seu passado de filho do ditador de um país devastado pela guerra, para participar do casamento do sobrinho do médico. Fazem 20 anos que Barry deixou esse passado para trás, mas em cenas em flashback vemos que ele ainda o assombra pesadamente.

Barry era o filho mais novo. Jamal (Ashraf Barhom), o mais velho, foi preparado ao longo de sua vida para assumir quando o pai dos dois morrer, mas as cenas dos dois primeiros episódios mostram bem que os efeitos dessa preparação foram os piores: casado com uma mulher que o odeia, capaz de violentar a mulher que quiser, bebendo e usando a violência como resposta para tudo, Jamal é a versão piorada de seu pai.

Numa terra em que crianças são assassinadas facilmente, Barry liga sua sanidade ao fato de viver longe, fato demonstrado não somente pelo tempo que ficou fora, mas pela forma que tenta partir do país assim que sabe da morte de seu pai.

Barry é impedido de partir depois que seu irmão sofre um acidente de carro – na verdade um atentado, mas o mais estranho atentado que se poderia imaginar – e ele acaba pouco a pouco se envolvendo nas tramas políticas. Uma das cenas mais significativas para mim foi a que demonstra sua falha tentativa de evitar a morte de um grupo de garotos que sequestram a esposa do sobrinho.

A série não economiza nada em demonstrar os horrores de uma terra em constante conflito e aonde a miséria é confrontada com verdadeiros palácios e carros caríssimos.

E é impossível, depois de ver tudo isso e entender do que Barry tanto fugiu, não engolir seco quando, ao final do segundo episódio, ele resolve ficar mais um pouco e ajudar a seu irmão que tem de assumir o poder.

Na verdade, é impossível não enxergar que Barry quer tentar de alguma forma consertar o que está errado ali. O problema é que não acreditarmos que exista conserto e pensarmos nos efeitos sobre uma família aparentemente perfeita desses horrores que até aqui eles desconheciam.

Tyrant: Pilot e State of Emergency (1x01 e 1x02)

Tyrant vai ao ar aos domingos no canal FX e já tem segunda temporada garantida.

Escrito por Simone Miletic

Formada em contabilidade, sempre teve paixão pela palavra escrita, como leitora e escritora. Acabou virando blogueira.

Escreve sobre suas paixões, ainda que algumas venham e vão ao sabor do tempo. As que sempre ficam: cinema, literatura, séries e animais.

2 Comentários


  1. Vou colocar para gravar e assistir depois. O FX tem séries boas, mas é péssimo em divulgação e horários. The Americans e The Bridge, são séries ótimas que descobri por acaso, ainda bem que tenho a mania chata de durante o intervalo ficar mudando de canal.

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *