Grey’s Anatomy: Got to Be Real (11×03)

Vale começar falando que eu achava que quem tinha que ficar com a vaga no conselho era o Alex? Ainda mais porque eles tinham a saída perfeita: ele no conselho e devolvem o laboratório da Bailey. Magoei.

Até porque ele ganhou pontos extras conseguindo não somente acalmar Meredith surtando com a suposta mentira da Maggie como ainda nos mostrou que ele conhece mais de aspectos práticos do hospital que vários dos membros do conselho.

Foi por conta disso que Meredith pode confirmar a verdade. Sim, ela tem uma irmã e não sabia disso. Do outro lado, acho que ela deveria ter ido pessoalmente conversar com a moça, ainda mais depois de descobrir que o Richard já sabia da verdade há semanas e estava calado até ali.

Grey's Anatomy: Got to Be Real

Então, se eu dei razão para a reação da Meredith quando Maggie jogou a verdade na cara dela, agora eu dei razão para a Maggie quando ela descobriu que Richard era seu pai. Ainda mais quando ele fica com aquela cara de idiota e não fala nada, não fala que ele também foi pego de surpresa, não fala que ele nem imaginava ter uma filha e que ele sempre sonhou com isso.

Falando em homem fazendo coisa errada: cara, não demorou nem uma semana para o Derek jogar na cara da esposa o imenso sacrifício que ele fez? Gente, tá aí um dos grandes problemas do mundo: sacrifícios não solicitados.

Isso e se fazer de vítima estão no topo da lista de coisas que mais me deixam possessas.

E, não bastasse a crise do casal principal, parece que Shonda não sossega quando o assunto é Arizona e Callie. A crise da vez é porque as duas tem chances profissionais muito boas, mas isso significa adiar o segundo filho. Enquanto Arizona não parece ter grandes problemas com isso, Callie já está desfilando sua cara de mártir.

Eu já falei por aqui que loucura não caminha sozinha, não é verdade? Bom, esse casal é um ótimo exemplo disso.

P.S. Pobre Amelia, Derek pode ser um cretino quando quer.

P.S. do P.S. Achei legal o novo projeto de Owen, acho que ele faz a melhor coisa ao direcionar seu sentimento de perda para algo que sempre foi importante para ele e podendo mudar a vida das pessoas.

 

Escrito por Simone Miletic

Formada em contabilidade, sempre teve paixão pela palavra escrita, como leitora e escritora. Acabou virando blogueira.

Escreve sobre suas paixões, ainda que algumas venham e vão ao sabor do tempo. As que sempre ficam: cinema, literatura, séries e animais.

3 Comentários


  1. Esse episódio não deixou pedra sobre pedra… odeio a Shonda. 🙁
    A Arizona não faz cara de mártir porque nunca quis outro filho em primeiro lugar. A Callie é honesta, sincera o tempo todo. A Arizona é passivo-agressiva. Eu amo as duas, amo o casal, mas a Arizona enche o saco às vezes. Mas não as acho loucas, não. Pra mim, é o casal mais saudável da série.

    Responder

    1. Então, eu não sei se consigo considerá-las um casal saudável, mas na comparação, afff, a coisa ali é feia.

      Eu olho para elas e penso: funcionariam numa história curta, pra casal pro resto da vida não porque elas simplesmente não olham da mesma forma para a vida. Do outro lado, tô eu aqui há 12 anos casada com alguém que olha a vida bem diferente de mim – tudo vem que fui eu que mudei absurdamente nos últimos 5 anos. Acho que as mulheres só devem casar depois dos 35.

      Responder

      1. Sim, casal mais saudável da série por causa do parâmetro de comparação. Não da vida. 😛
        Você tem razão, e parece que essas formas de olhar a vida têm se distanciado com o tempo, em vez de se aproximarem.
        Concordo com a tese de casamento só após os 35. Ou pelo menos 30, né? E filhos também.

        Responder

Deixe uma resposta