Bones: Big in the Philippines (9×13)

Deixa ver se eu entendi direito como a coisa funciona em Bones: se eu gostar do estagiário, ele vai morrer. Confere produção? Já se for a Dayse, ganha vidas extras? Afffff!

Bones: Big in the Philippines 9x13 s09e13

Tipo: eu comecei a chorar no instante em que a Brennan vê ao vídeo da queda de Wendell: não tinha como ser boa coisa.

E pra piorar o clima geral ainda tem toda essa história do ótimo músico country que finalmente encontra o sucesso e o amor e acaba morto por um idiota. Um idiota, meus senhores!

Então esse foi um episódio absurdamente triste pra mim, além do incomodo de sempre com as incoerências da série, comuns nos últimos tempos: Angela que virou a Abby deles e que nunca me convence, dou um desconto na parte da análise das músicas por conta do pai dela, mas só; e ninguém mais do laboratórios ficar sabendo do que está acontecendo com o Wendell quando finalmente existe algo série do que falar ao invés das fofocas que eles vivem fazendo.

Mas o episódio teve muitos méritos também: os suspeitos que sentaram naquela sala tinham motivos reais para estarem ali, não era aquela coisa de dança das cadeiras enquanto enrolamos 40 minutos, e até o último momento eles conseguiram manter o culpado em segredo.

Assim como conseguiram manter em segredo que Wendell ia lutar. Se ele simplesmente tivesse pego seu carro e indo embora eu ia correr na internet para descobrir se o ator arrumou uma série nova ou se demitiu.

Ao invés disso, vou ficar aqui com a miníma chance que ele tem de sobreviver e um tico de esperança deles não nos deixar. É sempre assim com quem/o que a gente gosta, não é mesmo?

P.S. Primeira vez que o sexo da vítima é confirmado, bem, pelas partes encontradas. Confere produção?

P.S. do P.S. O maior aprendizado da vida pode ser resumido realmente em uma só frase: tem vezes que o que podemos fazer é apenas dançar conforme a música. E isso nem sempre é ruim, viu?

Escrito por Simone Miletic

Formada em contabilidade, sempre teve paixão pela palavra escrita, como leitora e escritora. Acabou virando blogueira.

Escreve sobre suas paixões, ainda que algumas venham e vão ao sabor do tempo. As que sempre ficam: cinema, literatura, séries e animais.

3 Comentários


  1. chorei horrores … não acreditei que fizeram isso pela terceira vez !!!

    estou revoltada, muito revoltada mesmo …

    continuo chorando …. buáaaaaa

    Responder

  2. Simone, eu entendo sua raiva, eu sentir o mesmo quando eu vi este episódio pela primeira vez, mas depois que a raiva passou eu entendi porque ser o Wendell e não a Dayse como você citou. Todo mundo gosta do Wendell, além de ser claramente o preferido da Brennan e do Booth. Depois que a Brennan virou mãe ela trata o Wendell como filho e sinceramente se fosse a Dayse a maioria dos fãs torceria para ela morrer, já com o Wendell é muito diferente. Sobre o episódio em si, confesso que ele é o meu preferido das últimas três temporadas superando até o do 11 de setembro que é um excelente episódios, mas muita intimista para os americanos,o impacto para eles é maior que para gente, já este episódio ele é um bom feijão com arroz da série. Ele tem tudo que fez agente gostar da série uma mistura de um bom caso com uma carga emocional e uma boa exploração da parte pessoal da Brennan e do Booth, algo que sinto muito falta na série. O meu grande problema com a série é essa fase viagem de drogado dos roteiristas uma prova disso é o Pelant, eles esqueceram em fazer o simples.
    Chorei vendo este episódio, fiquei muito angustiada na cena que a Brennan tentar falar da doença para o Wendell, ali ela lembrou-me a Brennan do início que se importava com as pessoas, mas tinha dificuldade de demonstra. Amei o Booth incentivando o Wendell a lutar. Eu amo este episódio com certeza é um dos preferidos da série.

    Responder

Deixe uma resposta