Criminal Minds: Rabid (9×18)

Olha, a última segunda não foi fácil para o povo viciado em séries, nem mesmo Grimm foi leve e se você assistiu a tudo na sequência é provável que não tenha tido uma boa noite de sono. Em Criminal Minds, por exemplo, eu não sabia se estava mais impressionada pela forma como as vítimas morriam ou pelo fato do assassino querer reviver o que passou com seu irmão.

criminal minds rabid 9x18 s09e18

“É mais importante saber que tipo de pessoa tem uma doença do que saber que tipo de doença uma pessoa tem.” – Hipócrates

Porque eu não consigo fazer ideia de porque alguém ia querer reviver um sofrimento desse, lembrar de ouvir seu irmão chorando e gritando pela própria vida sem qualquer esperança de salvação.

E se no episódio passado Reid foi o homem a dobrar o bandido com a manipulação, aqui foi ele que conseguiu juntar as peças que levaram Penélope a descobrir quem a equipe buscava. O que me levou a refletir sobre a motivação em geral que afeta esses assassinos: alguns buscam a vingança de quem lhes fez sofrer, mas assim como o assassino desta noite, não deixam de reviver o que lhe machucou.

Como a mente humana é maluca!

Além disso, foi impossível não refletir sobre o fato de até hoje não termos encontrado a cura para uma doença tão antiga – com exceção daquela que apenas funciona nas primeiras vinte e quatro horas após a contaminação.

E é natural que as cenas mais leves, que quebram tanta tensão, tenham ganhado mais que apenas um minuto ou dois de tela: Penélope e Reid tentando se preparar para um teste físico e, ao final, sendo torturados por Morgan foram mais que necessários para que não desligássemos a televisão desesperançados.

P.S. Que horror imaginar a pessoa morrendo de sede e ainda assim com medo da água!

P.S. do P.S. Vejam vocês como não são precisas imagens sanguinolentas para nos causar os mais desagradáveis sentimentos.

P.S. do P.S. do P.S. Diria que Morgan precisa melhorar um pouco seus argumentos de treinador; ninguém consegue se animar ao ouvir que sua avó faria melhor, não é mesmo?

Escrito por Simone Miletic

Formada em contabilidade, sempre teve paixão pela palavra escrita, como leitora e escritora. Acabou virando blogueira.

Escreve sobre suas paixões, ainda que algumas venham e vão ao sabor do tempo. As que sempre ficam: cinema, literatura, séries e animais.

Deixe uma resposta