The Good Wife: Don’t Haze Me, Bro (4×04)

Eu realmente não gostei de ver Alicia jogando fora uma de suas poucas chances de ter uma amiga de verdade. Não somente porque ela precisa de uma amiga de verdade, mas porque isso não combinou nada nada com a pessoa que ela tem demonstrado ser nos últimos tempos. Além disso, eu queria ver ela e Maddie bêbadas em todos os episódios de The Good Wife daqui por diante!

The Good Wife: Don’t Haze Me, Bro 4x04

Don’t Haze Me, Bro lembrou bastante os episódios do início da segunda temporada, com parte do tempo dedicado aos tribunais, desta vez permitindo que Diane nos mostre porque gostamos tanto dela, e a outra parte dedicada a campanha de Peter, dessa vez para governador. Eu acho que eles conseguiram tirar leite de pedra da tal acusação de traição que poderia ter sido perfeitamente descartada no episódio passado.

Eles se arriscaram em esticá-la, e continuam se arriscando já que ela volta por conta do tal blog político-pornográfico, e só não perderam por conta da descoberta de Kalinda sobre a tal chave concierge, que garantiu a ótima conversa dela com a loirinha acusadora. Eu realmente acho que Peter não deu essa pulada de cerca, mas ele terá de conviver com a sombra do passado nessa campanha e isso não deveria ser novidade para ninguém.

Achei uma pena, como disse antes, que a história tenha afetado Maddie e Alicia. Alicia foi tola em tentar ajuda Eli e tola na forma como o fez: ainda que bêbada ela poderia ter disfarçado de mil outras formas a sua ajuda ao marido.

Quanto ao caso da noite: mais um juiz “diferentão”. Eu gostei demais da abordagem do caso, mas o melhor mesmo foi Diane virando a história em cima daquilo que o advogado da faculdade resolveu defender. O confronto entre ela e ele foi delicioso e rendeu porque o final não era óbvio, qualquer um podeira ganhar ali, por mais que soubéssemos quanto Diane precisava ganhar.

Ela conseguiu e, como bem disse Will, o sabor da vitória quando a gente aposta tudo é muito mais gostoso.

Ah, Cary ganhou meia dúzia de frase! E agora divide o escritório com Alicia. Alguém ali já pensou em fazer as reuniões com clientes na sala de reuniões para evitar aquele circo na sala?

P.S. Não falei de Jackie, não é mesmo? Eu não gosto de Jackie, mas vibrei com seu discurso inicial, quase enterrando a carreira do filho. A questão é que a senhora está realmente doente e ninguém parou para olhar para isso com cuidado.

P.S. do P.S. O marido da Kalinda foi para não mais voltar? Alguém me diz que sim, vai!

Escrito por Simone Miletic

Formada em contabilidade, sempre teve paixão pela palavra escrita, como leitora e escritora. Acabou virando blogueira.

Escreve sobre suas paixões, ainda que algumas venham e vão ao sabor do tempo. As que sempre ficam: cinema, literatura, séries e animais.

1 comentário


  1. Não sei não, mas tô achando que a Maddie pode ser homossexual, e estar apaixonada pela Alícia. Acho que seria uma novidade na vida da Alícia, algo novo para ela lidar.

    Responder

Deixe uma resposta