The Blacklist: Pilot (1×01)

Ah, amor a primeira vista existe sim e acontece com mais frequência do que você pensa, diz a moça que ainda ontem amava The Newsroom acima de tudo, logo depois de ter amado Hannibal e porque agora está amando The Blacklist. Diria eu que existe uma grande chance, se as promessas do piloto se confirmarem, de que está seja a melhor estréia desta temporada.

The Blacklist: Pilot (1x01)
Não quero nada com a inteligência de vocês, prefiro ficar com a minha mesmo.

A favor da série:

1. James Spader como Raymond “Red” Reddington. Amo James Spader – vou ali assistir Boston Legal inteirinha de novo e volto depois – e ele parece ter um ótimo dedo para escolher papéis, principalmente se eles significarem ser sarcástico, ser calculista, ser sincero em doses nada homeopáticas.

2. Os diálogos, ai como eu adoro um diálogo bem escrito, uma escolha de palavras que sai do trivial – o povo das legendas vai sambar para ficar a altura. E tem as frases de efeito, daquelas que te fazem sorrir antes mesmo de você perceber que está fazendo isso.

3. Tem um grande mistério: por que Ray escolhe Elizabeth Keen para conversar? O que liga o passado desses dois? Confesso que cheguei até a especular se ela não é a filha para a qual ele nunca voltou lá atrás, mas ela saberia disso, não saberia? E por que o marido falsão foi atrás dela?  O que torna essa moça tão interessante?

4. Vilões interessantes. Eu sempre digo que um bom vilão é capaz de salvar qualquer série do marasmo – os fãs de The Following não me deixam mentir sozinha – e The Blacklist tem uma lista inteira deles. Não os 10 mais do FBI, já que a lista deles é mais um concurso de popularidade, mas aqueles que estão cometendo crimes sem que ninguém mais imagine. Isso sem falar no próprio Ray.

5. A cena inicial: Ray procurando pelo diretor do FBI e em seguida se preparando para ser preso já se tornou clássica e a série ainda nem tinha começado direito.

6. O rapaz fugindo com a bomba. O que foi aquilo minha gente?

7. Lembra Silêncio dos Inocentes, mas é totalmente diferente. Deu para entender o que eu digo?

8. A trilha sonora também é de primeira, daquelas que te coloca certinho no clima da cena (as músicas de que descobri os nomes):

99 Problems – Hugo

State of the Art (A.E.I.O.U.) – Jim James

Ain’t That a Kick In the Head – Dean Martin

Didn’t I – Darondo

P.S. Falei que eles precisam de mais criatividade para nomear o episódio de estréia?

P.S. do P.S. Tem algo contra? Eu ainda estou na fase de amor cego e nem ligo.

P.S. do P.S. do P.S. Daí que o inglês é complicado, né? O Canal Sony não passou com legenda sincronizada mesmo.

Escrito por Simone Miletic

Formada em contabilidade, sempre teve paixão pela palavra escrita, como leitora e escritora. Acabou virando blogueira.

Escreve sobre suas paixões, ainda que algumas venham e vão ao sabor do tempo. As que sempre ficam: cinema, literatura, séries e animais.

15 Comentários


  1. Simone, POR FAVOR, dê uma chance à Breaking Bad. Por mais que todas estas outras séries que você citou sejam boas (Hannibal, The Newsroom, etc.), o “Piloto” da série vai te deixar presa no sofá!

    Assista o mais rápido que puder. Depois de tanto me indicarem, tomei vergonha na cara e agora, terminei a primeira temporada.

    Sério, assista!

    Responder

    1. Henrick eu já tentei acompanhar Breaking Bad e não desceu … me perdoe a intromissão 😉

      Responder

      1. Cleide?! Cleide?! Como assim, Cleide?! rs.

        Breaking Bad pra mim é o melhor drama já feito. Claro, fica pau a pau com The Sopranos…

        Sério, tente dar uma outra chance pra série, Cleide… 😉

        Responder

        1. Ih Henrick, tô na turma da Cleide: não consigo suportar o protagonista, consequentemente não consigo engolir a série. Idem com Californication, por mais que eu adore o David, não suporto o personagem.

          Responder

  2. Simone seu review não tem o que acrescentar, está perfeita mas a única observação (in my opinion)é que pra mim a situação me lembrou por demais o filme The Rock (A Rocha) com Sean Connely e Nicolas Cage, até mesmo aquele pedido do Red de ficar hospedado num hotel de luxo é a mesma do Sean no filme e no filme o Sean tb tinha uma lista

    e agora a minha torcida do Emmy vai pra quem ???? …. ELE, James Spader \o/

    Responder

  3. amigo, saberia me dizer o nome da musica que toca no finzinho do 2º episodio? é tipo um jazz sei la.. *-*

    Responder

  4. Eu até gostei do piloto da série e vou acompanhar, mas achei meio mistura de Hannibal (que adoro) com a finada Alcatraz (que detestei). Espero que siga um caminho próprio. O James é um ator excelente, o que me faz ter vontade de assistir mais. Quanto a Breaking Bad, demorei a assistir e no mês passado comecei uma maratona – resultado: fiquei “viciada” de verdade na série!!!

    Responder

    1. Eu tinha visto a primeira temporada Breaking Bad no ano passado gostei, mas acabei enrolando só quando a série começou a segunda metade da temporada final eu comecei uma maratona e conseguir acompanha a reta final da série só para você ver como eu fiquei viciada!

      Responder

  5. ahhh Simone só agora me lembrei : P.S. Falei que eles precisam de mais criatividade para nomear o episódio de estréia? … é só dar uma olhada em Downton Abbey, todos os episódios de chamam “episode Xtemporada-xnúmero-do-episódio”, ser série mais sem criatividade para nomear episódios … tá ai !!!

    Responder

  6. Sentei em frente a televisão, e cometi o mesmo erro (ou não) qdo. fiz a mesmo coisa com Crossing Lines, pensei… episódio piloto, depois eu não assisto mais, pronto mais um vício, não conseguia respirar, de tão atenta ao episódio de Blacklist, ainda bem que posso gravar, aí no dia que não trabalho faço minha própria maratona de séries da semana. Simone também pensei que a Elizabeth fosse filha do Ray, mas acho que o James Spader deve ter um pouco mais de quarenta. Sabe o filme Salt com a Angelina Jolie, me parece que o marido da Liz deve ser algum tipo de espião como a personagem Salt.

    Responder

  7. Cleide e Simone eu faço coro com Henrick para vocês assistirem Breaking Bad à série é muito boa! É um tapa na cara da sociedade ao mostrar o quanto imperfeito é ser humano e a forma como eles mostram como as drogas destroem a sociedade é maravilhoso.
    Já em relação à The Blacklist para mim o Reddington é o pai da Elizabeth Keen.

    Responder

  8. Sem comentários, tem cenas que chegam a assustar de tão intensas. E a trilha sonora é algo. Realmente muito boa a série. The Black List tem sido surpreendente. E a trilha sonora? A cada episódio uma música melhor que a outra. Eu quero conseguir a trilha completa. Alguém sabe?

    Responder

    1. Oi Henrique, por enquanto não, mas é provável que o canal disponibilize a trilha após o final da temporada. O jeito é ir catando as músicas pela rede mesmo.

      Responder

Deixe uma resposta