Bones: The Friend In Need (8×16)

O bom é quando tem um episódio redondinho logo depois de um ruim porque assim a gente esquece o que viu. The Friend In Need é um episódio redondinho de Bones.

Bones: The Friend In Need  8x16

E que dá um destaque para dois personagens não principais, um deles meio esquecido nesta temporada: Sweets, que encheu meu coração quando contou o que passou em sua infância para que a menina conseguisse enxergar alguma luz no fim do túnel e acreditasse que as coisas podem melhoras, e Cam, que arrasou em seus conselhos para o jovem casal, mostrando o quão boa mãe é e o quanto ela não serve para mentir.

Sweets ganhou tempo de tela nos últimos tempos por conta da necessidade de menos cenas com Brennan e Booth – quando as gravações começaram ela ainda estava meio licença maternidade – meio trabalho, mas foi nesse que esse ganho de tempo foi realmente justificado, ao invés de darem uma desculpa boba: ter um psicólogo cuidando do caso e, mais ainda, um com a sensibilidade de Sweets foi fundamental para encontrar as evidências que não estavam no corpo encontrado dentro daquela mala.

Sem ele não entenderíamos as nuances da personalidade da vítima e seria fácil responsabilizá-la pelo estupro da menina. Sem ele não conseguiríamos a confiança dela nem para saber que ela foi estuprada. Sweets, ao chamar a polícia, não traiu a confiança dela, mas sim fez aquilo que ela precisava que fosse feito. E, mais importante ainda, ele não a abandonou sozinha após fazer, ele continuou ouvindo o que não era dito, ele soube falar a coisa certa e estava lá quando finalmente o culpado foi pego.

E o fato dele ser pego sendo “enganado” por Booth e Sweets só tornou a vitória mais doce, já que ele se meteu a esperto praticamente o episódio todo.

Já Cam ganhou tempo de tela por sua vida pessoal, vai longe o tempo em que as análises da patologista são fundamentais para desvender um crime, mas vamos combinar que nem o conhecimento apurado de Brennan de ossos tambám não tem sido muito usado, por conta da relação de Michelle e Finn. Ela foi uma mãe protetora, ainda assim ela soube aconselhar cada um separadamente para que uma relação bonita não acabasse estragada.

Torço para ter um tanto de sua sabedoria como mãe no futuro.

P.S. E Finn é um estagiário dos mais queridos, sempre.

P.S. do P.S. Uma mentira para disfarçar uma mentira acaba sendo, bem, outra mentira. Complicado mesmo administrar tudo isso.

Escrito por Simone Miletic

Formada em contabilidade, sempre teve paixão pela palavra escrita, como leitora e escritora. Acabou virando blogueira.

Escreve sobre suas paixões, ainda que algumas venham e vão ao sabor do tempo. As que sempre ficam: cinema, literatura, séries e animais.

6 Comentários


  1. me perdoe Simone mas eu fiquei totalmente perdida no meio das mentiras da Cam, Michelle e Finn

    no resto o episódio desceu redondinho, Sweets encarou muito bem a história da garota e ajudou maravilhosamente … amando mais a cada dia

    Responder

    1. Precisa pedir perdão não, a coisa foi meio confusa, mas achei a intenção maravilhosa: Cam sabia bem o que falava, ela tinha o direito de ficar brava e Finn, apesar de tudo, tinha que ficar ao lado da namorada. São fases do crescimento, acho que me tocou mais porque, afinal, tenho uma pequena pré-adolescente aqui em casa e já imagino o futuro, risos.

      Também ando me apegando muito ao Sweets, quem diria!

      Responder

  2. Simone eu não me importo que em alguns episódios de Bones outros personagens tenham mais destaque que os protagonista desde que sejam bem utilizados. E neste episódio tanto a Cam como Sweets foram bem usados.
    Gostei muito do episódio, achei que o Sweets (que virou filho da Brennan e do Booth) foi perfeito com a questão do estupro da garota e ter ajudado ela mostrando uma maturidade muito grande. Poucas pessoas teriam a coragem que ele teve de falar para um estranho o que ele sofreu na infância. Fazia um bom tempo que eu ficava com raiva de um assassino em Bones.
    Fiquei com raiva da mãe da garota tendo uma atitude deplorável em se preocupar com que os outros iriam falar da filha ela não percebeu que aquilo só prejudicava a situação.
    O que me deixa revoltada é que tem muita gente idiota que pensam que o estupro é culpa da vitima.

    Segundo dados da ONU, até 7 em cada 10 mulheres no mundo serão espancados, estupradas, abusadas ou mutiladas durante sua vida e, enquanto cerca de 125 países têm leis que penalizam a violência doméstica, ainda há 603 milhões de mulheres que vivem em países onde a prática ainda não é um crime.

    Responder

    1. Camila, sim é bastante triste a vítima ser tratada como culpada e essa é uma briga nossa que ainda vai durar muitos anos, por isso sempre que possível a gente precisa levantar a voz e falar o que é certo!

      Responder

    1. Oi Nina, a série tem 5 anos muito bons, o sexto mais ou menos, o sétimo péssimo, e agora está divertida de novo. Acho que vale a visita sim.

      Responder

Deixe uma resposta