CSI: NY: Unspoken (9×04)

Quando a cor do cabelo e a magreza do protagonista da série são perguntas muito mais interessantes que suas histórias a gente precisa admitir que tem algo de muito errado. Atualmente, mesmo com um episódio como este, que foi razoável, é isso tem acontecido com CSI: NY.

Eu até fiquei emocionada com a parte da trama envolvendo a menina e seu amigo, a impotência que Flack mostra sentir tão bem na cena em que os encontra, mas de resto achei tudo muito arroz com feijão, nada chamando a atenção e eu mais preocupada com o cabelo e magreza do Gary Sinise.

Na cena em que ele discute com o médico suas opções, – num tom arrogante que não combina com o personagem – eu só olhava pro cabelo dele.

Só me pegaram no fato do senador não ser o vilão, porque eu de novo estava achando que ele era (mesma coisa que em Perception).

P.S. Eu vou ser considerada muito má se eu disser que torci um tanto pra Lindsey morrer?

Escrito por Simone Miletic

Formada em contabilidade, sempre teve paixão pela palavra escrita, como leitora e escritora. Acabou virando blogueira.

Escreve sobre suas paixões, ainda que algumas venham e vão ao sabor do tempo. As que sempre ficam: cinema, literatura, séries e animais.

10 Comentários


  1. ohhhh veneno !!!
    ” … porque eu de novo estava achando que ele era (mesma coisa que em Perception)” e também em Justified e alguns outros

    meia hora sem falar nada !!! aff … que aflição, e realmente o Mac sendo arrogante não lembra em nada seu personagem e tive companhia pois eu também fiquei o tempo todo olhando e encarando aquele cabelo do Gary

    Responder

      1. mas até que teve um certo sentido neste episódio … o fato de existir um professor que se importa com seus alunos e que demonstra afeição é uma coisa interessante de se debater, nos dias atuais que um simples beijo pode parecer inofensivo aos olhos de uns pode parecer um ato criminoso … fiquei pensando sobre isso depois que o episódio terminou

        Responder

        1. Cleide, esse negócio de ser demitido por ter abraçado uma aluna já foi bem mais longe lá nos EUA, uma família processou na justiça o professor da filha que a colocou no colo após ela ter caído e machucado um joelho. Acho isso um absurdo e acaba funcionando ao contrário: professores cada vez mais distantes, que não ajudam de verdade a criança, que nunca conseguirá confiar neles.
          E não só isso: meu cunhado descobriu um câncer enquanto morava lá, pois ele não achou um médico sequer disposta a operar, ao invés disso todos falavam que fariam o paliativo, isso porque morrem de medo dos processos em caso de morte do paciente.

          Responder

  2. Um dos PIORES episódios ever de CSI-NY. Aliás, eu parei de ver a série nesse episódio. Claro que a Lindsey não morreria, mas que eu torci que o cara a matasse no hospital, torci! E o maridinho chato também, não consigo mais suportar o Danny! O Mac está amargo, frio, chatinho… Affe, estragaram uma série ótima! Falavam tão mal de CSI Miami, mas o Horatio canastrão era BEM mais divertido!

    Responder

  3. “Eu vou ser considerada muito má se eu disser que torci um tanto pra Lindsey morrer?” (BEM-VINDA AO CLUBE).

    ACHEI ENFADONHO O EPISÓDIO E O MOTIVO DO TIRO NÃO ME CONVENCEU.

    QUANDO O BONITINHO SUGERIU QUE TALVEZ O SENADOR ESTIVESSE POR TRÁS DA TRAMA PARA ALAVANCAR MAIS VOTOS, PERCEBI QUE O EPISÓDIO NÃO SE DARIA POR ESSE CAMINHO… É O QUE SEMPRE OCORRE. CONFESSO QUE A ESCOLHA DO ATOR PARA O SENADOR ME DEIXOU EM SUSPENSE, POIS ELE ESTAVA UM VILÃO MAGNÍFICO EM Justified. E QUE BANDO DE HOMENS LINDOS, NÉ?

    TALVEZ A MAGRESA E OS CABELOS DFERENTES ESTEJA POR CONTA DE ALGUM NOVO FILME, QUEM SABE?

    Responder

  4. Putz!!!! A Lindsay não morreu!!!! Que chato…

    Ja pesquisei em todo quanto é site e blog de noticias de series e nenhum comentário sobre a magreza do Gary Sinise… Acho que so nós percebemos…..

    Ah é! Temos que comentar do episódio? Não prefiro uma analise CSI para descobri o que esta acontecendo com o Gary Mac Taylor Sinise…. acho que será mais divertido!!!!

    Responder

Deixe uma resposta