Grimm: La Llorona (2×09)

Ué, dessa vez eu não entendi: fantasmas também fazem parte da obra Grimm? Seria a moça um tipo de wesen? Afinal o que foi tudo isso, meu povo?

Não que eu tenha achado o episódio ruim, longe disso, mas fiquei sim com aquela incomoda sensação de que algo não estava bem encaixado no enredo da série como um todo – afinal falamos de aparições de uma mesma moça através de centenas de anos.

Só dou desconto porque foi episódio de Halooween e fantasma tem tudo a ver com o tema – e eu confesso que passei mais tempo pensando: 1. o que Juliette vai fazer agora e 2. como é que o Monroe vai se vingar desses moleques.

O mistério de Juliette parece estar perto do final: aquele olhar dela no finzinho do episódio nos indica que ela já escolheu entre seus dois amores e, confesso, quando Nick respondeu ao sorrido dela eu me derreti toda. Só não sei como vai ficar o lado de Renard nessa história.

Já o mistério 2 foi resolvido conforme esperado: Monroe mostrou seu lado lobisomem para os meninos. Era isso mesmo que eu estava esperando acontecer e eu até imagino os meninos voltando para suas casas e contando aos incrédulos pais que eles viram um lobisomem de verdade.

A trama principal ganhou um pouco mais de graça porque conduziu Juliette ao ambiente de trabalho de Nick como tradutora e fez com que ela conhecesse a tal misteriosa mulher que lhe disse que ela teria de fazer uma escolha e porque nos trouxe uma agente do FBI wesen.

Além disso, os efeitos da luta final de Nick e a moça – wesen? fantasma? – diminuíram a má impressão deixada pela montagem tosca do início do episódio – diz ela, fã de Once Upon A Time – e ainda mostraram um herói em dilema: quando o rosto da moça volta ao normal Nick percebe que está matando, na verdade, uma mulher comum e sobe à praia sem contar o que realmente aconteceu lá embaixo.

O bom de ser fantasma é que ela pode voltar mais vezes, não é mesmo?

Escrito por Simone Miletic

Formada em contabilidade, sempre teve paixão pela palavra escrita, como leitora e escritora. Acabou virando blogueira.

Escreve sobre suas paixões, ainda que algumas venham e vão ao sabor do tempo. As que sempre ficam: cinema, literatura, séries e animais.

6 Comentários


  1. Pois é, Simone, foi um especial de halloween, eu logo de cara abstraí da questão do fantasma. e a coisa fica assumidamente surreal quando o amigo pergunta a ele se agora eles acreditam em fantasma. episódio gostoso, despretensioso e delicioso. Sabe que adoro o Grimm, mas prefiro a Juliette com o Renard. Bad Bianca, Bad Bianca

    Responder

  2. se eu disser a vcs que a história com Monroe foi a que mais gostei no episódio …. vcs não irão me matar né !!!

    sei que foi estranho e fiz como a Bianca falou “abstraí”, até que os Grimms anteriores nem eles conseguiram explicar … entãoooo

    Responder

  3. ÉGUA, PELA PRIMEIRA VEZ EU SENTI MEDO, SABIA? NÃO VEJO FILMES DE TERROR POR CAUSA DISSO. ATÉ MESMO AMERICAN HORROR STORY, ASSISTO PELA MANHÃ E ACELERANDO AS CENAS PQ EU SEI QUE VOU ME ASSUSTAR E NÃO CURTO ISSO. RRSSS

    ACHO QUE A CHORONA É APENAS UM ESPÍRITO ATORMENTADO E QUE NO DIA DAS BRUXAS, APARECE COM O PODER DE FAZER O QUE FEZ. NÃO A VEJO COMO UM DOS BICHINHOS DE NICK.

    ACHEI MUITA FORÇAÇÃO DE BARRA UTILIZAREM JULIET COMO TRADUTORA APENAS PARA PODER CONTAR O DILEMA DOS TRÊS. PODERIAM TER FEITO ALGO DIFERENTE, COMO POR EXEMPLO, UMA DAS DONAS DE SUA CLIENTELA SER A SENSITIVA…E POR ISSO É QUE ELA IRIA NA DELEGACIA, PARA SE DECIDIR, OU NÃO. RRSSS

    QUANTO A MONROE, NÃO CURTI NADA, NADA SUA TOLA APARIÇÃO NO EPISÓDIO. NÃO RI DE NADA.

    O QUE SERÁ QUE RENARD ESTÁ APRONTANDO? SERÁ QUE ELE VEM PARA O BRASIL PROCURAR SUA ANTIGA ALIADA? RRSSS

    Responder

    1. Risos, tbm morro de medo Libriane, nem assisti American!

      Eu não liguei da Juliette não, até porque o espanhol dela é ótimo, fiquei admirada.

      Responder

Deixe uma resposta