Criminal Minds: Unknown Subject (07X12)

“Não tão somente sofremos com nossos traumas. Também aprendemos com eles, conforme nossas necessidades.” – Alfred Adler

O que você faria se o homem que um dia lhe estuprou voltasse para fazê-lo novamente? Na verdade, acho que seria mais: você, depois de passar pelo trauma de ser estuprada, conseguiria esquecer disso e seguir em frente ou se prepararia para reencontrá-lo e então fazer “justiça”?

Este episódio é sobre isso: sobre um estuprador que não resiste e volta para rever suas vítimas, isso depois (ou ao mesmo tempo) em que outro homem imita seus passos – não ficou claro pra mim a motivação do verdadeiro em retornar, se isso já era algo que ele pensava ou se teve essa ideia ao ver o outro atacando suas vítimas e depois o usuou como bode espiatório.

Na verdade, a velocidade do episódio faz com que nada fique muito claro, mas ainda assim temos um excelente episódio!!! Eu estava realmente aflita ao final pensando: “se esse cara não é o estuprador, quem é? eles vão deixar assim? mas como?”. Isso depois de ter passado o episódio todo: é ele, não é ele, é ele, não é ele.

De brinde uma vítima que enlouquece. Até isso para nos deixar na dúvida: ele deixou que ela o pegasse de propósito ou ele se surpreendeu com a reação? Quem de nós não torceu pelo menos um pouco para que ela apertasse o gatilho? Quem de nós não ficou com cara de besta quando a Prentiss diz que não era ele (ou vocês se saíram melhor do que eu e perceberam a manobra?).

A questão principal é que tivemos um episódio em que a equipe teve bastante trabalho para realmente entender que eram dois e não um e depois conseguir montar o perfil dos dois.

E tudo isso ainda criando uma forte identificação entre Prentiss e Regina Lampert (quem mais vê a atriz Dina Meyer na tela e pensa “a louca de 90210”?) porque as duas tiveram a oportunidade de confrontar os homens que lhe trouxeram terror, ainda que de forma diferente.

 “Toda a arte de viver está no delicado equilíbrio de desistir e suportar.” – Henry Ellis

P.S. Agora sim eu acho que a saída de Prentiss começa a ser desenhada com todo esse papo de “tive um dia ruim”. Talvez um indicativo de que ela não morrerá, mas deixará a equipe.

Escrito por Simone Miletic

Formada em contabilidade, sempre teve paixão pela palavra escrita, como leitora e escritora. Acabou virando blogueira.

Escreve sobre suas paixões, ainda que algumas venham e vão ao sabor do tempo. As que sempre ficam: cinema, literatura, séries e animais.

8 Comentários


  1. Esse episodio foi fera…. adorei….. Pior que nao consigo mais ouvir a “musica tema” do estuprador sem lembrar desse episodio…. vi alguns dias atras junto com os EUA, então qdo ouço a musica… tremo….

    E que cabelinho lambido é esse da Prentiss… Gente, parece q fez progressiva e nunca mais lavou os cabelos…. um terror…..

    Agora é aguardar para ver que final darão para ela…. só espero que nao morra… como geralmente acontece com os personagens que deixam uma serie…..

    Responder

  2. Tb lembrei de Barrados no Baile ao rever a atriz (adorava).

    O “Pianista” é mais inteligente do que muitos do tipo, pois além de ir atrás de um admirador, acabou encontrando um que topasse conectar as vítimas… Muito interessante.

    Quando vi o rapaz suspeitei que ele não fosse o pianista, primeiramente pela rapidez e tb pela idade dele, muito novo para aquele tipo de gosto musical, mas foi apenas juntar 1+1. Realmente a coisa não foi muito escrarecida, por exemplo, como os malvados se encontraram? o que combinara? o que aquelas músicas representavam para ele? Regina ficará presa?

    Prents não fez escova progressiva, ela deixou que uma vaca lambesse seus cabelos… horroroso!

    Responder

  3. Antes de tudo, devo dizer que adoro “Criminal Minds”, mas o que não dá para engolir mais, é que todo episódio eles fazem aquele discurso de jogral sobre o perfil do suspeito para vários policiais, só que NINGUÉM da polícia ajuda na perseguição e captura, eles resolvem tudo só com a ajuda da Penélope e seus computadores milagrosos. Será que os roteiristas já não perceberam isto?

    Responder

  4. Pôxa Ivonete, né que eu concordo contigo? Realmente é um jogral e nenhum faz a prisão a não ser os nossos queridos agentes, que são “pau pra toda obra” (fazem perfil, falam com imprensa, prendem, escutam o preso, fazem batida…)

    Inclusive a equipe poderia se restringir Ao Hotch (pq tem que ter alguém normal), ao Reid e a Penélope… Na boa, o restante da equipe não faz tanta diferença assim… JJ é bacana, mas só é bonitinha, Morgan é bacana, mas só fica correndo atrás dos malucos, Dave é bacana, mas o que ele diz eu tb poderia dizer (rrss), Prentis tá UÓ com aquele cabelo de a vaca lambeu.

    Responder

    1. Sim, Libriane, aquela cena do jogral com a polícia não tem o menor sentido, já que a polícia nunca faz nada. Eu sei que tudo tem que se resolver em 40 minutos, mas, esse negócio da Penelope achar o endereço, CPF e RG do assassino em 15 segundos… é um pouco demais né?

      Responder

      1. Já deu o que tinha que dar…. De repente um deles olha uma foto, mas um comentario, ligam para Penelope e… voilá…. ela manda o endereço do assassino….

        Acho que estão perdendo o rumo…..

        Responder

  5. É por isso que eu digo: Na equipe bastam: Penélope; Reid e Hotch. Agora, eu queria ter um pc que nem o dela… égua, ela descobre tudo, parece até a loirinha da série Médium.. Ela sabia quem era o assassino, onde morava, como matou, etc

    Responder

Deixe uma resposta